Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O doping no pas

05 de Março, 2018
Uma vezes, involuntariamente, outras, de livre arbítrio dos atletas, os casos de doping mexem sempre com o desporto, entretanto, é bom constatar que em Angola os casos conhecidos foram de três futebolistas, um nadador, um desportista do atletismo e outro, na pesca desportiva, o que torna reduzido, dado o nosso universo desportivo.
Fora das fronteiras, muitos foram os casos badalados, contudo, a luta contra essa prática por parte das estruturas internacionais começou a ganhar formas, aquando do doping do velocista Ben Jonhson, sucedeu-se depois o caso de Diego Maradona que reconheceu na altura a dependência à cocaína, para tal, fez o devido tratamento em Cuba.
Bem recentemente, um dos casos mais divulgados foi o da tenista russa Maria Sharopava, que foi suspensa por cerca de um ano, e em meados do ano passado regressou às quadras.
De volta à nossa casa, a luta contra a adulteração de resultados por doping, pode ganhar um novo impulso com a criação da agência para o seu devido controlo.
De acordo com a médica Sttela Cristiano, que coordena a Comissão Médica do Comité Olímpico Angola, em entrevista ao Jornal dos Desportos, o quadro actual não é muito promissor, dado que neste momento em Angola faz-se a colheita, as amostras são levadas para um laboratório internacional, pelo que é fácil inferir o quão onerosa se torna a prática, quando para cada teste o valor é de 500 dólares.
É certo, que o país atravessa dificuldades financeiras que obrigam a definir prioridades, contudo, essas dificuldades não vão ser certamente eternas, pelo que a criação de mecanismos no país para o combate mais sério ao doping, deve ser sempre equacionada.
Angola tem convénios com os organismos que lutam para a erradicação do doping no mundo, e deve cumprir com as obrigações e criar legislação de cumprimento obrigatório das Federações Nacionais e das Associações Desportivas.
Um desporto livre de drogas, privilegia sempre a competição limpa e leal entre desportistas, além de criar condições para o bem-estar dos jovens desportistas que não consumam substâncias proibidas e nocivas à própria saúde.
De resto, com um trabalho de sensibilização constante, dirigido primeiro aos próprios atletas antes da competições, pode evitar a proliferação do mal, quando se sabe da despistagem que muitos atletas utilizam para apregoar inocência, quando confrontados com a possibilidade de caírem nas malhas do doping.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »