Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O Estdio da Tundavala

02 de Setembro, 2019
A ministra da Juventude e Desportos trabalhou a semana passada na província da Huila, tendo a visita incidido mais na constatação de infra-estruturas desportivas locais. Entretanto, uma das notas de maior realce, foi, sem dúvida, o manifestado desejo de recuperação, nos próximos tempos, do Estádio da Tundavala, cujo estado de degradação há muito vem inquietando a sociedade desportiva.
Na verdade, a titular do pelouro desportivo acaba por dar um passo firme e decisivo. Pois, já escapava à compreensão colectiva a forma como se vinha fazendo vista grossa e ouvido de mercador, a uma situação ruim aos olhos de todos, mesmo depois de a imprensa se ter dedicado, até à exaustão, à abordagem do triste quadro, em que se acha aquela infra-estrutura.
A população huilana em particular e do país em geral, ficou satisfeita ao saber da boa vontade manifestada pela ministra e pelo governador da Huila, Ana Paula do Sacramento Neto e Luís Nunes, respectivamente. Afinal, se a construção do estádio que é o mais difícil e oneroso foi possível, não é a reabilitação que vai ser impossível ou que levará o país à bancarrota.
E mais: o estado em que se encontra actualmente o Estádio da Tundavala, reflecte uma acentuada negligência das autoridades desportivas do país, insensíveis perante a degradação evolutiva de um bem, que custou avultadas somas de dinheiro aos cofres do Estado. Pois, os estádios quando construídos para um determinado fim, têm, a posterior, outra serventia.
Quando se erguiam os quatro estádios, que em 2010 receberam o Campeonato Africano das Nações, esperava-se que, depois do evento, eles servissem o desenvolvimento da modalidade no país. Mas não é o que está a ser verificado. É evidente que o 11 de Novembro e o M’Ombaka tiveram sorte diferente dos outros dois, nomeadamente o Tundavala e o Chiazi.
Tem razão quem um dia defendeu a necessidade de se fazer um concurso público, para se encontrar empresas que podiam assumir a gestão destas infra-estruturas. A nosso ver seria a melhor solução. Temos quase certeza que se se tivesse partido por esta via, talvez, não estivéssemos confrontados com este quadro dantesco. De certeza que os estádios estariam bem cuidados e transformados em verdadeira fonte de receitas.
Vamos esperar, que a breve trecho o futebol regresse à Tundavala. Até porque acreditamos na capacidade empreendedora do actual governador da Huila, cuja obra está a transformar Lubango numa cidade renovada, alegre e acolhedora, para orgulho dos seus nativos.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »