Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O fim nas Afrotaas

07 de Abril, 2015
Asafra dos clubes nacionais nas Afrotaças, Liga e Taça da Confederação Africana de Futebol (CAF), neste último final de semana, coloca em risco o lugar de Angola no ranking dos países com direito a quatro formações nessas provas.A presença nesse grupo de países é determinada pelo resultado das equipas. A simples presença na fase final ou de grupos, representa um ponto, nas meias-finais dois e assim por diante. Se somadas todas as prestações determina-se os países melhores colocados.

Angola, por força do que fizeram as equipas nas Afrotaças, no período entre 2004 a 2009, conseguiu estar entre os 12 países. Contudo, depois de 2009 só o Interclube e o Recreativo do Libolo fizeram alguma coisa, que pode ser no entanto insuficiente para nos mantermos nesse ranking. A Confederação Africana de Futebol a seu tempo vai divulgar a lista de países com direito a quatro equipas nos próximos cinco anos.

E não vai ser surpresa se o país for afastado desse ranking. As equipas angolanas não sabem explicar a razão desse fracasso consecutivo ou podia-se dizer, perpétuo. Não se tem feito um diagnóstico correcto nem das capacidades das equipas nem dos erros das participações anteriores. Há muito que se tem criticado a forma repentina como as equipas querem chegar ao topo do futebol africano.

O que se recomenda é um trabalho estruturado, e não como se faz hoje. Contratar dez jogadores e um treinador não resulta no mesmo ano, tão pouco é recomendável. É necessário formar, dar tempo aos treinadores e equacionar as ambições de maneira crescente, e não como se faz hoje.

Recreativo do Libolo, Kabuscorp do Palanca e o Benfica de Luanda fizeram o contrário do que os manuais da boa gestão recomendam.O Recreativo do Libolo despediu o treinador na véspera de começarem as provas, o Kabuscorp do Palanca fez o mesmo, mandou embora o treinador, contratou novos jogadores, porém sem resultados satisfatórios.

Não é por esse caminho que deve trilhar o futebol nacional. Temos exemplos que dispensam custos. Basta copiar o que fazem as modalidades do basquetebol e andebol.Se por um lado, é mau para o futebol nacional que Angola tenha apenas duas vagas nas próximas edições das Afrotaças, uma na Liga outra na CAF, pode por outro lado ser um momento oportuno para fazer um exame de consciência. Talvez corrigir o percurso que os clubes procuram fazer a qualquer custo, sem o devido preparo.

A questão do calendário do Girabola é um assunto que a prática resolve. Ou seja, não pode ser o começar tardio do Girabola a razão principal do descalabro das formações nacionais em África. O maior problema são as más práticas, opções precipitadas, o imediatismo. Esse é o cancro das equipas nacionais.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »