Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O Girabola est renhido

22 de Abril, 2015
O Girabola tem já disputadas nove jornadas, tempo insuficiente para as equipas atingirem o pleno, em termos competitivos. Daqui para frente tudo vai ser diferente. Chegou a altura de cada formação começar a trilhar os caminhos traçados, sob pena de fracassar nos objectivos.

As próximas jornadas têm uma tónica diferente das anteriores. A jornada nove confirmou isso. O empate do Interclube no 22 de Junho, diante do Recreativo do Libolo, foi o primeiro safanão de que a prova necessitava. A fazer um campeonato a todos os títulos brilhante, em que tem intercalado vitórias e empates, a equipa do Rocha Pinto viu fugir-lhe dois pontos, mas continua a par do Kabuscorp a serem as únicas que ainda não conheceram o sabor amargo da derrota.

O Interclube é, nessa altura, o alvo a abater. Depois da equipa de Calulo ter conseguido a proeza de travá-lo, os próximos adversários vão procurar fazer a mesma coisa. Na próxima jornada, a turma da Polícia vai deslocar-se à cidade portuária do Lobito, para medir forças com Académica, oitava da classificação geral e que na jornada passada tratou de reduzir o Petro de Luanda à vulgaridade.

A diferença competitiva, e motivacional entre as duas equipas, não é grande. Não há dúvidas. Mas os estudantes motivados com o resultado da ronda anterior podem fazer uma “gracinha” e seguirem o mesmo caminho do Libolo, para retira-lhe alguns pontitos.

Face à diferença pontual (três pontos) que o separa do segundo classificado, Progresso da Lunda Sul ao líder, tudo vai fazer para somar a quinta vitória na prova. Mas não vai ser fácil, se Académica mostrar a determinação que o tem caracterizado nos jogos com os chamados candidatos ao título.

Quem tem de começar a trilhar outro caminho é o campeão em título, o Recreativo do Libolo. De forma inexplicável, a equipa de Calulo ainda não acertou o passo. Em oito jogos, o melhor que fez foi empatar quatro vezes. Em casa e fora de portas. Consentiu uma derrota tendo terminado a sorrir ou vitorioso em apenas três jogos. Mau demais para um campeão que tem (ou tinha) como objectivo a revalidação.

A prestação do grémio de Calulo está a intrigar até à própria direcção, que não esperava ver a equipa na quinta posição da tabela classificativa com 13 pontos, a quatro do líder. O Libolo defronta hoje, para acerto de calendário o Desportivo da Huíla, no Lubango, que na ronda anterior perdeu com Progresso do Sambizanga por 2-1.

Mas há outras equipas, que vão procurar melhorar as suas prestações, de formas a não ficarem muito aquém das metas preconizadas. O 1º de Agosto, Progresso, Sagrada Esperança e Recreativo da Caála enquadram-se nesse lote. Acreditamos que o quadro ainda pode mudar, pois as equipas estão a trabalhar no sentido acertar o passo, pelo menos até ao fim do primeiro turno da prova, de modo a encararem a segunda volta sem muitas contas a fazer.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »