Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O ms da corrida

01 de Dezembro, 2017
No seu percurso voraz, sem que se dê por ele, o tempo traz-nos a partir de hoje a um dos meses mais aguardados do ano em quase todo o mundo. Os motivos são os mais variados. É o último mês do ano, é o mês da quadra festiva, é o mês do Dia da Família, para os cristãos, enfim, poder-se-á dizer que Dezembro é o mês dos meses.
O realce para abordagem particular sobre o mês que hoje começa a fazer a contagem regressiva para o término do ano 2017, deve-se ao facto de desportivamente falando termos chegado ao mês da tradicional corrida de fim-de- ano São Silvestre. Com a entrada em Dezembro, começa a contagem para a disputa da mais tradicional prova de atletismo, que reúne no último dia de cada ano a nata do atletismo nacional e internacional, em solo angolano.
Com uma nova direcção à cabeça da Federação Angolana de Atletismo, desde o ano passado, depois da eleição de Bernardo João, que destronou na corrida à presidência do órgão, Carlos Rosa, espera-se que a São Silvestre de 2017 seja muito melhor do que foi a edição do ano passado, que contou apenas com a participação da prata da casa e com prémios muito aquém dos anos anteriores.
Na sua 62ª edição, é necessário que os gestores do atletismo nacional salvaguardem todo o trabalho feito até aos dias de hoje e que ajudou a dar notoriedade à prova, com a vinda ao país de grandes “feras” da modalidade em África e não só, que sempre se bateram com entusiasmo para inscrever os seus nomes na galeria dos vencedores.
Com o tempo sempre no seu percurso imparável e veloz, os organizadores dispõem a partir de hoje de 30 dias cronometrados para colocarem tudo sobre carris de modo a que a 31 de Dezembro o tiro de largada seja dado na hora certa, sem necessidade de se recorrer a expedientes extraordinários de última hora.
É por demais sabido que o país atravessa, há coisa de dois anos, um momento particularmente difícil, do ponto vista económico e financeiro, como consequência da queda do preço do barril do petróleo no mercado internacional, o que tem exigido dos gestores uma autêntica “ginástica” financeira para lograrem atingir os seus intentos.
Até os patrocinadores foram atingidos por esta crise, pelo que o apoio que estes normalmente dão para eventos do género, no âmbito da sua acção social, também viu-se afectado com a diminuição dos recursos para patrocínios.
Portanto, a federação vai contar sobretudo com o dinheiro proveniente do Minjud mas deve fazer o esforço de juntar outras parcerias para garantir que a corrida seja disputada com a competitividade que lhe é caracterizada, em virtude dos prémios que oferece.
No ano passado, as coisas não correram muito bem, em razão das mesmas dificuldades financeiras, obrigando que a corrida saísse à rua apenas com corredores nacionais que se bateram por prémios muito pouco atractivos.
A novidade para a São Silvestre é o regresso de corredores internacionais e o aumento dos prémios, o que por si só já demonstra algum trabalho de casa desenvolvido pelos dirigentes federativos, que terão colocado mãos à obra tão logo terminou a prova do ano passado.
Com a garantia do regresso dos estrangeiros e com os prémios melhorados, é hora de velar pelas questões de cariz administrativo e técnico que concorrem para que no dia 31 de Dezembro tudo saia à contento.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »