Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O nosso atletismo

09 de Novembro, 2017
Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano São Silvestre. Tal quadro, entretanto, não é revelador da falta de actividade competitiva a nível deste desporto, mas resulta sobretudo da grandeza que esta prova pedestre insere.
É de conhecimento geral que a nível da federação angolana da modalidade e das suas associações se desenvolvem acções competitivas regulares, mesmo que, na esteira de uma análise realística, seja ainda longe do nível do que se fazia nas décadas anteriores.
Em todo o caso, compreende-se que cada época é uma época e as facilidades tidas ontem podem não ser as mesmas de hoje. Ainda assim, os homens do atletismo sempre fazem tudo mais alguma coisa para mantê-lo vital.
De resto, foi em face de dificuldades de natureza financeira que o ano passado assistimos a uma São Silvestre pouco expressiva, disputada apenas por nacionais, perante a indisponibilidade de convidar estrangeiros como sempre foi. A prova ficou um pouco aquém da sua marca habitual do ponto de vista competitivo.
Numa altura em que estamos a um mês da realização de mais uma edição é notório da parte da direcção de Federação Angolana de Atletismo a conjugação de certo esforço no sentido de devolver à prova este .ano o seu cariz internacional. A São Silvestre de 2017 pode voltar a contar com corredores estrangeiros, estando a serem ponderados todos elementos inerentes à emissão de convites. Sabe-se de fonte da organização que em caso de haver dificuldades em desapertar o nó financeiro os convites poderão resumir-se aos países da nossa região, sendo que o importante será fazer com que a prova mantenha o seu carácter internacional.
Nada mau. É certo que etíopes, quenianos e eritreus, exímios animadores da prova, não fazem parte da nossa região, ainda assim será muito melhor que em 2016.
Aliás, esta da preferência pelos países vizinhos não é já um dado adquirido. Será alternativa caso se esgotem as possibilidades de mandar vir para a corrida os mesmos países de sempre. Por aí podemos dizer que existe ainda alguma possibilidade de a prova voltar à primeira forma.
Na edição passada também podemos perceber que a situação havida resultou do facto de o novo elenco directivo ter acabado de ser investido, tendo faltado espaço temporal de manobra para fazer mais e melhor.
Por tudo isso, aguarda-se expectante que as coisas aconteçam como estão a ser alinhavadas, porque uma prova de cariz internacional é uma coisa, e uma doméstica é naturalmente outra.
Mesmo em termos de histórico dos seus vencedores, quem tenha ganho uma prova sem concorrência estrangeira não se lhe pode atribuir o mesmo prestígio de quem tenha chegado primeiro à meta deixando pelo caminho destemidas lebres etíopes, quenianas ou eritreias para não citar outros.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »