Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O nosso basquetebol

27 de Fevereiro, 2017
A história desportiva do país se escreve com os feitos do basquetebol. Claro está que a modalidade mais popular é o futebol, chamado por esta via a realizar o campeonato nacional da primeira divisão no quadro da política de Unidade Nacional.

Mas é importante sublinhar que nessa altura já se tinha disputado uma edição do campeonato nacional de basquetebol, então ganho pelo Ferroviário de Angola em 1978.

Pela sua força e capacidade mobilizadora, o futebol conquistou o mercado desportivo com a chegada do Girabola. Numa determinada época os outros desportos ficaram quase que subalternizados. Não porque não tivessem vitalidade competitiva, mas porque gozavam de pouca expressão nacional. Pelas províncias do país festejava-se mais o Girabola que qualquer outra competição.

Passasse porém, que em termos de conquistas para o país no plano internacional, foi o basquetebol que começou a dar a primeira alegria. Em 1980 festejamos à brava a conquista do primeiro campeonato africano juniores disputado na Cidadela Desportiva, com uma vitória retumbante sobre uma poderosa República Centro Africana na final. A façanha viria a repetir-se dois anos mais tarde em Maputo.

Desde então o basquetebol conquistou a simpatia dos angolanos, porque era a disciplina que nos punha nas ruas em festejos, sempre que terminasse uma competição continental. Na verdade, foram anos e anos de alegrias proporcionadas por este desporto.

A nível de seniores por exemplo, a saga começou em 1989, com a conquista do primeiro título na Cidadela Desportiva, seguiram-se outras conquistas que os arquivos registam para a história.

Estas conquistas foram obra de diferentes gerações de basquetebolistas, num processo de sucessão muito bem conseguido, graças a política sólidas e bem delineadas pelos homens da modalidade, entre dirigentes e técnicos, alguns dos quais já na outra dimensão da vida. Diga-se, em obediência à verdade, que o basquetebol soube sempre se assumir num bálsamo para aliviar agruras dos angolanos nos momentos mais difíceis.

Por tudo isso, deve-se enaltecer a iniciativa conjunta da Refriango e Federação Angolana de Basquetebol com a realização, sábado último, da \"Pura All Star Game\" que juntou os principais artífices do nosso basquetebol. Eles estiveram ai, mostrando os seus dotes. Claro que não estando no activo não se lhes podia exigir aquilo que faziam antes, mas tratou-se de uma iniciativa que valeu a pena.

Eles próprios terão se sentido honrados com a iniciativa. E o público, que continua a dever-lhes agradecimento, apareceu em massa e vibrou com os seus lançamentos. Eles são merecedores do calor de todos, porque souberam com arte e engenho, em momentos difíceis elevar para alturas as cores da bandeira nacional.

Últimas Opinies

  • 22 de Julho, 2019

    Akw lesou a Ptria por representar o Pas?

    Com a vossa permissão, amigos leitores, deixam-me exteriorizar , o que sempre defendi do ex-craque da nossa terra chamado Akwá, menino de Benguela

    Ler mais »

  • 22 de Julho, 2019

    Com o balo vazio no se busca patrocnio

    Certa directora de marketing, com muita experiência nesta área e que trabalha no mercado nacional há mais de 10 anos, confidenciou-me, dias atrás.

    Ler mais »

  • 22 de Julho, 2019

    Segunda derrota nacional

    O PAÍS  futebolístico continua a curar as mágoas de ter visto partir o então seleccionador nacional dos Palancas Negras, Hervé Renard.

    Ler mais »

  • 20 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    “Nunca cheguei a reunir com este senhor (Akwá) para tratar este assunto. Apenas nas veste de Deputado e com o seu guarda-costa, apareceu no meu gabinete.

    Ler mais »

  • 20 de Julho, 2019

    Acesso ao Qatar

    Apesar da qualificação inédita numa fase final de um Mundial de Futebol, algo que ocorreu curiosamente em 2006, edição organizada pela Alemanha, a Selecção Nacional.

    Ler mais »

Ver todas »