Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O regresso s emoes

07 de Julho, 2015
Depois de uma paragem, aliás incompreensível, diga-se, de cerca de 40 dias para dar lugar aos compromissos da Selecção Nacional, o Girabola regressa no fim de semana com a disputa da 16ª jornada, a primeira da segunda volta.

Uma paragem criticada por vários agentes ligados ao futebol, porque diminui o ritmo competitivo de qualquer jogador e isso, não ajuda ninguém. Uma verdade, que infelizmente, os dirigentes da FAF não notam.

“O campeonato teve uma paragem muito longa. Isso, não favorece a nenhum clube, pelo contrário. Para além dos clubes que ficam prejudicados, o mesmo acontece com os adeptos e até mesmo a imprensa, sobretudo a desportiva”. Estas palavras pertencem ao treinador do Petro de Luanda, o técnico Alexandre Grasseli. Que a FAF saiba tirar as devidas ilações.

Falando do regresso às emoções, a primeira jornada, assinala o confronto entre os dois primeiros classificados, o Recreativo do Libolo (30) e o 1º de Agosto, separados por quatro pontos, que partilha a segunda posição com o Benfica de Luanda e o Kabuscorp, pois somam os três 26 pontos cada.

Mas há outros ingredientes, neste regresso da prova, do calendário da FAF. Referimo-nos a alguns “ajustes de contas”, que têm por base o que aconteceu na primeira volta. A surpreendente vitória caseira do Sporting de Cabinda diante do Petro de Luanda por claros 2-0, ou a goleada imposta pelo ASA ao Progresso 3-0 e ainda o empate a dois golos que o Kabuscorp consentiu no seu ambiente diante do Recreativo da Caála.

Nos três jogos, estamos convictos, que apenas os petrolíferos levam alguma vantagem, por jogarem no seu reduto, porque os dois outros a situação não é tão líquida assim. No derby ASA -Progresso, o favoritismo é repartido, têm 50 por cento de possibilidades de chegarem aos três pontos, embora os sambilas tenham encerrado a primeira volta num grau superior.

No planalto central, o Recreativo da Caála vai jogar pela primeira vez em casa, depois do que assolou à equipa no final da primeira volta. Mudança de direcção, saída de jogadores influentes na manobra da equipa, a integração de novos elementos. O seu adversário, o Kabuscorp, ainda sonha com o título, pelo que a derrota não está no seu horizonte, sob pena de ver os seus principais concorrentes mais distantes.

Mas este reinício do Girabola, vai também servir para avaliarmos as equipas que mais beneficiaram destes 40 dias de férias forçadas, assim como, as que foram prejudicadas. Estamos diante de uma fase, que é determinante, para qualquer uma das equipas. Para as que sonham com o título e para as que tudo têm de fazer para evitarem a despromoção. Os árbitros devem também estar no centro de todas as atenções, depois de tudo o que se tem dito a seu respeito.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »