Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O sonho da China

20 de Setembro, 2018
Apesar de falhar o acesso ao Campeonato do Mundo de Basqutebol da China, do próximo ano, a partir da quarta janela de qualificação da zona africana, realizada na Tunísia, Angola mantém ainda acesas as esperanças.
A Selecção Nacional, às ordens do norte-americano Will Voigt, perdeu domingo frente a similar tunisina por 84-64, portanto uma margem de 20 pontos, e desperdiçou assim a oportunida de lograr, antecipadamente, a sua qualificação ao Mundial da China a partir desta quarta janela.
Apesar disso, Angola, que nos outros dois jogos disputados em Radés, Tunísia, venceu os Camarões por 83-76 e o Tchade por 75-33, respectivamente, tem de esperar pela próxima fase de qualificação, em que volta a cruzar com os mesmos adversários.
Durante a disputa desta quarta janela de qualificação da zona africana, na Tunísia, e em que a equipa da casa logrou o passe para a grande montra do basquetebol do próximo ano, veio mais uma vez ao de cima as fragilidades defensivas de Angola.
Se ao longo destes anos, em que a Selecção Nacional logrou, com todo mérito, a conquista de onze títulos continentais a nível dos séniores e assumindo, daí, a hegemonia em África, fruto da sua grande matriz defensiva, hoje o quadro inverteu-se.
Longe dos velhos tempos, em que a defesa assumia-se como ponto forte do combinado nacional, o que fez, inclusivamente, com que Angola chegasse a tão alto patamar em África, hoje por hoje as coisas vão de mal a pior, neste quesito.
O aspecto defensivo é, agora, o elo mais fraco do conjunto orientado actualmente por Will Voigt. A justificar isso, estão as prestações oscilantes que os hendecacampeões vão tendo nas provas africanas em que participam.
Pode-se mesmo aferir que, este período de decadência, começou precisamente a oito anos, quando Angola deixou escapar o título do “Africano” disputado em Antananarivo, Madagáscar, para esta mesma Tunísia, com quem perdeu domingo último.
Aliás, na antecâmara da disputada quarta janela de qualificação da zona africana, o sector defensivo do combinado angolano sofreu, durante o estágio pré-competitivo, nada mais nada menos do que 326 pontos em quatro partidas realizadas.
A cifra, que representou um percentual de 81.5 pontos sofridos por cada um dos jogos realizados, deixou bem claro o momento menos bom, que o conjunto revela em termos defensivos. Enfim, destapou as fragilidades que vêem sendo recorrentes neste sector.
Não obstante a isso e outros factores, com realce para o actual momento de crise financeira que o país atravessa, derivado, sobretudo, da baixa do preço do petróleo no mercado internacional, várias vozes se manifestam crentes na qualificação ao Mundial.
Uma delas é a do luso-guinense Mário Palma, por sinal o mais titulado treinador de basquetebol em África e que já orientou, com sucesso, diga-se, os destinos do “Cinco Nacional”
O ex-seleccionador nacional e actual treinador da Tunísia, mostra-se convicto de que Angola se qualifica, com a maior ou menor dificuldade, para 18ª edição da grande montra do basqutebol mundial, que a República da China vai albergar o próximo ano, pela qualidade dos atletas que tem.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »