Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

O ttulo da crena

12 de Outubro, 2019
Irrepreensível. É isso que se pode dizer da campanha da Selecção Nacional de futebol para amputados que ontem, no Estádio do São Filipe, em Benguela, não deixou os seus créditos em mãos alheias, ao vencer na final da 5ª edição do Campeonato Africano da categoria, a similar da Nigéria. Foi um título da crença e, acima de tudo, da grande atitude do combinado angolano, que entrou para esta festa com rótulo de campeão mundial.
A selecção nigeriana, com quem Angola já havia empatado a dois tentos na quinta jornada deste torneio, cujo pano caiu ontem, acabou por ser um digno vencido, pois embora derrotado também evidenciou grande capacidade de reacção.
Aliás, basta referir que, a par de Angola, que terminou a etapa inicial na primeira posição com 11 pontos, mercê de três vitórias e dois empates, a Nigéria obteve feito semelhante ao da Selecção Nacional, mas com a desvantagem de, no “goal-average”, ostentar um saldo positivo de quatro contra 15 da equipa orientada por Augusto Baptista “Chieto”.
Os números de golos apontados revelam bem a postura ofensiva de Angola. A Selecção Nacional, que além campeã mundial entrou para este “Africano” com o rótulo de vice-campeã, alcançou, assim, o tão almejado título continental que faltava na sua galeria.
E muito cedo o combinado angolano deu mostras de que a jogar na condição de anfitrião, era, claramente, um dos sérios favoritos à conquista do troféu.
Para já, esta festa de futebol adaptado, que o país albergou na Cidade das “Acácias Rubras”, acaba por ser marcada, grandemente, pelas desistências de sete países, no caso o Ghana, Quénia, Marrocos, Moçambique, Rwanda, Sudão e Togo. Não obstante esse aspecto, a prova disputou-se em volto de grande expectativa.
As seis selecções presentes na festa, no caso Angola, Libéria, que era até então detentora do troféu, a Nigéria, finalista vencida desta edição, a Tanzânia, grande revelação, assim como a Serra Leoa e Camarões, não defraudaram. Provaram, acima de tudo, que o futebol adaptado, apesar de não merecer a devida atenção por parte dos governos de muitos países de África, ainda assim, evidencia grande talento dos seus praticantes. As goleadas e espectáculos que caracterizaram esta edição provam isso.
E Angola, que depois da festa mundial em Novembro passado em Guadalajara, no México, conquista agora África, fez uma campanha imaculada. Começou por golear, na ronda inaugural, os Camarões por 6-0, depois seguiu-se um empate nulo frente à Serra Leoa (na segunda jornada), outra vitória expressiva de 5-0 sobre a Libéria (terceira), 4-0 diante da Tanzânia (quarta) e no fecho da primeira fase voltou a repartir pontos com a Nigéria (2-2), adversário que viria a defrontar novamente na grande final deste torneio. E, diga-se de passagem, o título dos angolanos não sofre qualquer contestação, pois foi o conjunto que melhor soube aproveitar as oportunidades que teve. E bem haja para estes bravos rapazes comandados por Augusto Baptista “Chieto”!!!...

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »