Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Objectivo alcanado

14 de Outubro, 2019
Terminou na passada sexta-feira, em Benguela, o Campeonato Africano de futebol para amputados, que durante dias a fio juntou naquela cidade do litoral angolano seis países, sendo cada qual com a sua capacidade competitiva, com a sua ambição e com a sua meta estabelecida no certame.
Entre os concorrentes, estavam o campeão do mundo e o campeão africano, pormenor que acabou, pelo sim pelo não, por emprestar um outro toque de qualidade ao mesmo. Os jogos foram, na sua maioria, disputados com grande intensidade, como era de esperar, num torneio de cariz internacional.
A questão do título, diga-se, foi fortemente discutida. Pois, para além de Angola e da Libéria, que aparecerem com maiores credenciais, surgiram outros concorrentes, que a páginas tantas foram convencendo com o timbre do futebol por si exibido no campo. Este pode ser o caso da Nigéria e da Tanzânia.
Este quesito, diga-se em abono da verdade, viria a dar outro impulso competitivo à prova, com tudo a apontar para um desfecho cheio de imprevistos. Mas Angola, tirando partido de vários factores, esteve na mesma optimista e crente na possibilidade de levantar o troféu no último dia.
E como se diz que quem acredita e se esmera para os objectivos consegue cumprir, lá chegou ao tão ansiado título, superando a Nigéria, que de facto apresentou-se muito bem no torneio, que, e isto seja dito com toda honestidade, sairia também muito bem na fotografia a ser ele o campeão africano.
Entretanto, as coisas ficaram meio facilitadas para Angola, depois de os contornos da prova lhe terem colocado a jogar com Libéria nas meias-finais, que era, de resto, conotada como a mais difícil e temível, já que estando nas vestes de detentor do troféu dele não se podia esperar outra coisa, que não fosse a revalidação.
Com todos os motivos para a onda de emoção, com todos os motivos para festejos, porém Angola não deve deixar de reconhecer mérito, quer na selecção liberiana, quer na selecção nigeriana, sendo que ambas tiveram uma prestação, que acabou por valorizar, de alguma forma, a competição. Obrigado Angola!...

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »