Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Opes de Vasiljevic

27 de Setembro, 2018
Concentrada desde a noite de domingo último, no Hotel Samba, em Luanda, a Selecção Nacional de Futebol de Honras deu já início a sua preparação, visando o duelo com a sua similar da Mauritânia a 12 de Outubro, com um grupo restrito de jogadores.
Para este jogo, referente a terceira ronda do Grupo I da fase de apuramento a 32ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, o técnico Srdjan Vasiljevic somente, na próxima semana, deverá contar com o grosso dos atletas convocados.
No início da preparação, segunda-feira, o sérvio contou apenas com Gerson, Job, Mira, Tó Carneiro, Vá, Herenilson, Agostinho e Danilson (Petro de Luanda), Aisson (Progresso do Sambizanga), Bráulio (Real Sambila), Mabululu, Vanilson, Moisés, Amor e Dala (1º de Agosto) e Rafa (Kabuscorp do Palanca).
O guarda-redes Gerson, a contas com uma lesão no ombro, acabou por ser dispensado pelo seleccionador nacional Srdjan Vasiljevic, abrindo, assim, a possibilidade de integração nos trabalhos de Ndulo, titular da baliza da Académica do Lobito.
Ainda no tocante a jogadores do emblema do “eixo-viário”, o defesa-central Wilson, em gozo de férias em Portugal, também só se junta ao grupo na próxima segunda-feira.
Já em relação ao guardião Landu, do Interclube, o nosso jornal apurou que apenas amanhã se junta aos companheiros, proveniente igualmente do exterior do país.
A recuperação física, a circulação de bola e o ensaio das acções ofensivas foram os aspectos dominantes deste início dos trabalhos, cuja convocatória do grosso dos atletas deve ser anunciada, oficialmente, segunda ou terça-feira.
Contudo, salta à vista na pré-convocatória, nomes de jogadores como Tó Carneiro, transferido este ano do Inteclube para o Petro de Luanda, bem assim como de Vá, ex-jogador do Leixões de Portugal, que também se mudou para os tricolores do “eixo-viário”, e que há muito tempo não têm ritmo competivo nas pernas.
O primeiro não era opção no Interclube, que até bem pouco tempo era orientado pelo português Paulo Torres, que agora vai dirigir o Kabuscorp do Palanca, o mesmo sucedendo com o segundo na equipa lusa, onde evolui ainda o angolano Chico Banza.
E pode-se julgar contrapuducente a chamada destes para os trabalhos dos Palancas Negras, se se atender o facto de que Ary Papel, que está nas mesmas condições que o segundo, não faz sequer parte dos trabalhos, mesmo depois da troca, por empréstimo, do Sporting de Portugal para o 1º de Agosto. Merece ainda destaque, nesse particular, o facto de os jogadores do 1º de Agosto, que vai defrontar a 2 de Outubro, o Esperance de Túnis, na primeira “mão” das meias-finais da Liga dos Campeões Africanos, em Luanda, que vão integrar aos trabalhos logo a seguir a realização deste mesmo jogo.
Por outro lado, os profissionais Gelson Dala e Buatu Jonathan (Rio Ave), Mateus Galiano (Boavista) e Chico Banza (Leixões), ambas equipas portuguesas, assim como Djalma Campos (Alanyaspor da Grécia) e Bastos Quissanga (Lázio de Itália), juntam-se apenas ao grupo quatro dias antes do jogo com a Mauritânia, ou seja a 8 de Outubro.


Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »