Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os prmios de 2017

27 de Outubro, 2017
Com o mês de Outubro a dizer adeus, ficaremos a somente dois meses da corrida pedestre de fim de ano \"São Silvestre\", que saí sempre à rua no último dia do ano, isto é, a 31 de Dezembro do corrente.

No ano passado, a prova que já é uma tradição e é o principal cartão de visitas da Federação Angolana de Atletismo (FAA), foi marcada pela ausência de corredores profissionais estrangeiros e por prémios que ficaram muito aquém dos atribuídos em edições anteriores.

A FAA que procura de um tempo a esta parte fazer constar a nossa “São Silvestre” do calendário da IAAF, terá de trabalhar para ultrapassar os constrangimentos verificados na última edição, em que só atletas nacionais participaram do evento e foram “obrigados” a sujeitar-se a prémios nada motivadores.

Apesar da crise económica e financeira que assola o país, há já três anos, decorrente da queda brusca do preço do petróleo no mercado internacional, situação que afectou sobremaneira a economia nacional, espera-se, ainda assim, que este ano a comissão organizadora da prova estipule uma premiação mais aliciante e faça regressar os corredores internacionais, que dão um outro toque competitivo à corrida.

Augurando-se que a corrida faça parte do calendário da Federação Internacional de Atletismo, mesmo com as escassas verbas a federação tem de fazer um pouco de mais esforço no sentido de melhorar a premiação desta edição da prova, a 62ª, sob pena de voltar a não atrair as “gazelas” estrangeiras.

Os prémios são o principal atractivo da competição e mesmo com o momento menos bom em termos financeiros que as instituições estão a viver é possível fazerem-se parcerias que ajudem a dar uma outra imagem à “São Silvestre” de Luanda, que já granjeou um grade prestígio com a presença de nomes sonantes do atletismo mundial.

Aos patrocinadores tradicionais como a Sonangol, podem juntar-se outros desde que haja um bom plano de marketing que convença as empresas a se associarem à federação nesta empreitada que ajuda a levar o nome de Angola fora de portas.

Embora o tempo pela frente parece ser ainda longo, é preciso não descurar também já nesta altura a questão dos locais de inscrição bem como agendar as vistorias ao percurso para a verificação das principais anomalias e em tempo oportuno tomarem-se as medidas adequadas.

Os dez quilómetros de extensão, com partida no largo da Mutamba e chegada ao estádio dos Coqueiros não devem apresentar dificuldades de maior para que os corredores não sejam constrangidos na sua ambição.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »