Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os ltimos minutos

06 de Agosto, 2018
O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A edição 2018, disputada numa espécie de \"contra-relógio\", se abeira ao fim. Entretanto, classificativamente as coisas ainda estão por aclarar. No topo 1º de Agosto e Petro travam uma luta sem quartel pelo título, uma disputa que já conheceu outros concorrentes.
Aliás, a prova começou com o Interclube em grande, sendo que muito boa gente chegou a supor que tinha chegado a vez de os Polícias voltarem às conquistas. Pois, com militares e petrolíferos envolvidos nas provas africanas de clubes, empreitada que, regra comum, tem a tendência de embaraçar as coisas, a equipa de Fernando Torres teve tudo a seu favor.
Liderou a prova até que a dada altura começou a revelar alguma fadiga, cedendo terreno aos concorrentes. E como a militares e a petrolíferos nunca se deve dar facilidade, ficou pelo caminho, pagando caro a factura. As suas contas já não permitem sonhar mais para lá. O título já não anda ao seu alcance.
Entretanto, é bom que se diga que entre 1º de Agosto e Petro o primeiro está em melhor condição de arrebatar o troféu, bastando-lhe apenas um ponto para chegar à revalidação, somando assim o terceiro título consecutivo, mérito que só logrou nas primeiras edições da prova. Ou seja, em 1979, 80 e 81.
Por sua vez, o Petro mantém a esperança. Pois, as contas dos seus números classificativos lhe conferem este direito, sobretudo porque isto de jogar a toalha ao tapete antes do desfecho total é obra dos fracos. E aos tricolores este estatuto não casa. Daí que, é dado assente que os últimos instantes do campeonato prometem escaldar.
Se a meio da tabela reina uma acalmia total, ainda que algumas equipas não tenham conseguido melhorar as classificações da edição anterior, o mesmo já não se pode falar da situação na zona movediça da classificação, onde a aflição se apossa de equipas como o Recreativo da Caála, Domante FC e 1º de Maio.
Na verdade, o espectro da despromoção segue de perto estas equipas, cada vez mais ameaçadas a ausência na próxima edição. Com certo alívio estará, certamente, o Progresso do Sambizanga que com as vitórias conseguidas nas últimas duas jornadas, acabou por dar um safanão ao fantasma da despromoção.
Os outros, já referenciados, só por um milagre ver-se-ão livres da chaga de descida de divisão. De resto, ao que tudo indica, a segunda divisão é, indubitavelmente, o seu destino, por se terem revelado demasiado perdulários ao longo do certame. Mas vamos esperar pelo que nos poderão proporcionar os últimos instantes da prova.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »