Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os mesmos problemas

29 de Setembro, 2018
Angola está na corrida do CAN de 2019, cuja fase final tem os Camarões como país sede, naquela que marca a viragem para a organização da prova em anos ímpares, decidida pelo órgão que rege o futebol continental, neste momento em tempo de reorganização, após a saída do então presidente \"vitalício\" Issa Hayatou, e com a eleição do malgaxe Ahmad Ahmad para a sua presidência.
A estreia amarga dos Palancas Negras, com a derrota em Ouagadougou diante do Burkina Faso, deu lugar a um clima mais ameno, neste momento, consumado que foi o primeiro triunfo do combinado nacional frente ao Botswana, para a segunda jornada. O resultado coloca, desde já, a selecção angolana na rota das equipa com fortes pretensões à qualificação.
O jogo com a Mauritânia, no dia 12 de Outubro, é de transcendente importância para as suas aspirações. Os mauritanos ocupam a primeira posição do grupo, com seis pontos, mais três que angolanos e burkinabes logo a seguir, e conseguiram isso depois de desalojarem o Burkina Faso da liderança, com um triunfo caseiro.
É fácil constatar, pois, que diante deste quadro, ao conjunto nacional apenas um resultado interessa, a vitória. Com um triunfo no 11 de Novembro, as coisas no grupo ficam mais equilibradas, isso na eventualidade do Burkina Faso superar o Botswana, equipa que ainda não venceu nesta corrida. Angola, Mauritânia e Burkina Faso ficariam todas com 6 pontos, o que daria uma segunda volta interessante no grupo.
Em face de disso, era de se esperar que os Palancas Negras tivessem o melhor em termos de preparação, a começar pelo usufruto de um recinto fixo, para o seu treinamento.
Ao invés do desejado, os Palancas treinam como nómadas, hoje aqui, amanhã ali. Por cada sessão de treino, no Estádio dos Coqueiros, a FAF tem de pagar cerca de 96 mil kwanzas, uma situação que não pode arrastar-se, dado que o próprio organismo federativo também clama por dinheiros, a igual de grande parte das agremiações desportivas do país.
É certo que, tanto a administração do Estádio 11 de Novembro como a dos Coqueiros, precisam de receitas para minimizar os custos da respectiva manutenção destes recintos desportivos, custos que não são poucos, é bom que se diga. Mas, também é certo que estes recintos constituem património do Estado, pelo que tem de se arranjar um meio termo para a sua utilização, quando se tratam de Selecções Nacionais.
Angola tem aspirações na corrida para o CAN e não só, e a Selecção Nacional não pode viver sempre como pedinte, em qualquer situação.
Uma boa preparação é o esteio para a obtenção de bons resultados. E o jogo contra a Mauritânia é, de facto, de extrema dificuldade para o conjunto nacional, que não deve perder pontos em casa, para manter intactas as suas ambições.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »