Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os nossos colossos

24 de Fevereiro, 2015
Não podia haver algo melhor neste começo do Girabola do que um aliciante Recreativo do Libolo-Kabuscorp do Palanca. D durante muitos anos quando se falava em "clássico" não eram estas duas formações as chamadas à conversa. Mas o tempo passa e com ele uns acusam regressão e surgem outras potências.

As equipas de Calulo e do Palanca, muito à custa da política de aposta nos investimento das respectivas direcções, transformaram-se, também elas, em verdadeiras potências do nosso futebol. Falar hoje do Recreativo do Libolo é falar de um adversário a ter sempre em conta, é falar de uma equipa de topo, porque tem argumentos competitivos suficientes para desequilibrar qualquer desafio. O mesmo se pode dizer do Kabuscorp.

É com razão que nas últimas edições do nosso campeonato as duas equipas revezam-se na conquista do título, dando-se o fenómeno de uma se quedar na segunda posição sempre que a outra tem a honra de erguer o troféu da prova. Elas são campeãs e vicecampeãs das últimas cinco edições.
Por tudo isso, julgamos que não destoa chamar "clássico" ao jogo que envolve as duas formações.

E souberam de facto protagonizar um bom espectáculo de futebol no domingo passado na vila de Calulo. Ambas mostraram claramente as suas intenções no campeonato, tendo também deixado indicações de que não foi em vão que investiram forte na pré-época. Pelas referências que aqui vimos fazendo quanto ao nível das duas formações também podemos concluir que independentemente da presença de outras equipas que se declaram candidatas à conquista do titulo, há indícios de assistirmos a uma disputa a dois entre calulenses e palanqueses. E faz todo o sentido que assim seja.

Afinal, como monopolizadores do campeonato nas últimas cinco edições, disputam também uma espécie de protagonismo entre ambas. Depois de ter visto o titulo escapar para Calulo a época passada o Kabuscorp vai fazer tudo para conseguir inverter a face da moeda. Porém, do outro lado também não vai haver facilidades, sendo legitimo que como campeão em titulo o Calulo lute para a revalidação. É tudo isso que vai acontecer, a tudo isso vamos assistir.

Vamos também esperar que outros, que se julgam capazes de discutir o troféu do campeonato, o façam, quanto mais não seja elevando o nível competitivo ou de disputa pelos lugares de honra. De resto, faz tempo que a luta pelo titulo se tem resumido a apenas duas equipas, Libolo e Kabuscorp. As outras até tentam, mas depois acusam falta de pernas para manter o ritmo. Em regra, quando se entra para as derradeiras jornadas, apenas Libolo e Kabuscorp se assumem candidatos.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »