Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Os nossos treinadores

21 de Março, 2015
A falta de consideração aos treinadores angolanos e o caso de Paulo Saraiva são entre muitos os que ocorrem nos clubes. Também aconteceu no Atlético Sport Aviação (ASA), com o treinador Sami Matias ser vítima.

Nos piores momentos dos aviadores, que atravessaram não apenas uma longa crise directiva mas também financeira, Sami Matias segurou o barco, conduziu a bom porto, de acordo com as condições postas à sua disposição.

Aliás, o facto dos profissionais da Rádio Cinco o terem premiado com a distinção de treinador revelação de 2014 diz quase tudo. Ou devia dizer. Incompreensivelmente, quando se pensava que a direcção do ASA fosse manter o treinador assim como oferecer melhores condições, eis que foram ao Brasil buscar um outro treinador com quem achavam que Sami Matias devia trabalhar.

Na prática é um atestado de incompetência implícito que a direcção do ASA estava a passar ao treinador Sami Matias. Em defesa da sua dignidade, abandonou o clube, assume hoje a condução do futebol jovem do Interclube.

Paulo Saraiva viveu a mesma situação no Domant FC, a quem quiseram impor um treinador, preparador físico precisamente, uma usurpação das suas competências de treinador. Preparador físico e treinador de guarda-redes devem ser da inteira confiança do treinador principal.

Por conta disso, Paulo Saraiva tem mais do que razão ao bater o pé. Qualquer treinador que se preze tem de ter a mesma atitude. É uma questão de dignidade, honra e sobretudo valorização da sua competência.

Dessas atitudes dos dirigentes do futebol nacional pode-se reter uma lição: quando os clubes não têm condições financeiras elegem os treinadores nacionais, mas quando têm, preterem sempre os angolanos, mesmo sendo menos caros do que os outros.

Não é difícil vermos que volta e meia, os clubes depois aparecem publicamente a queixarem-se de falta de dinheiro. Não é uma questão de defesa dos treinadores nacionais. Há muitos que não merecem qualquer defesa, mas esses mostraram por que razão devem ser respeitados.

A solução desse problema está nas mãos da Associação de Treinadores de Futebol. À partida, Paulo Saraiva, não saiu definitivamente da equipa do Bengo. Ele está suspenso por tempo indeterminado pela direcção do clube. Mas é quase um dado adquirido que a rescisão é o caminho a seguir.

A acontecer não vai ser nada novo, ou que cause estranheza àqueles que acompanham a evolução do nosso futebol. O treinador deve sair tão somente, em defesa da sua honra e dignidade profissionais.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »