Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Outra batalha

12 de Março, 2016
As equipas angolanas nas competições africanas de clubes, nomeadamente, Recreativo do Libolo e Sagrada Esperança têm hoje a ingente missão que consiste em ultrapassar os adversários da primeira -mão, de mais uma eliminatória de acesso à fase de grupos. Os jogos têm lugar nas cidades de Calulo e Dundo.

Na primeira, o campeão nacional joga com o Al Ahly do Egipto, ao passo que na segunda, os lundas recebem a Liga Desportiva de Maputo. São dois jogos que devem à partida serem encarados com maior sentido de responsabilidade porque os 90 minutos decisivos vão ser jogados fora de portas.

Portanto, há toda a necessidade das equipas entrarem em grande na eliminatória, produzirem resultados que permitam ir para a segunda-mão com alguma tranquilidade. Qualquer resultado mal conseguido, incluindo golos do adversário, será reflexo de meio caminho andado para o fracasso. E não é isto que os angolanos esperam dos seus representantes.Sabemos que ao longo da semana que hoje termina, as equipas desenvolveram intenso trabalho de preparação com os olhos focados nesses compromissos. Assim, pensamos que se interpretarem com perfeição as estratégias traçadas no plano preparatório, não terão dificuldades de monta para consumarem os seus objectivos.

Das duas equipas, o campeão nacional parece-nos aquele com a empreitada mais difícil, porque defronta uma senhora equipa, com grande reputação a nível do futebol africano, o Al Ahly. Diz-se à boca pequena, que já não esbanja o mesmo fio de futebol de há algum tempo atrás, mas temos de convir que os nomes também jogam. E o Al Ahly tem nome.

Todavia, tem de se dar crédito ao campeão nacional, por aquilo que tem mostrado na praça nacional, que é sem dúvida uma das equipas de topo. Aliás, não se é campeão nacional por mera cantiga, conquista-se o estatuto com um futebol polido e mais do que isso, com apurado espírito de conquista que escasseia em muitas equipas.

Por isso, temos fé, independentemente da expressão futebolística da formação egípcia, que saberá o campeão angolano mostrar o seu perfil dentro das quatro linhas e se tiver que se vergar não será de forma fácil, mas à custa de luta e combatividade. O Libolo quer escrever o nome na história do futebol africano, e isto passa por superar os obstáculos.

Por sua vez, o Sagrada Esperança depois do que viveu na primeira eliminatória, em que teve de decidir as coisas em casa do adversário, espera certamente escrever uma outra história. Daí que o objectivo não será outro senão vencer a Liga Desportiva em casa e se possível com um resultado acalentador.A ver vamos se consegue. Ao que se sabe, a formação moçambicana não é nenhuma pêra doce, tenha vindo a Angola desfrutar das paisagens das terras diamantíferas. Veio para competir e de olhos voltados na próxima eliminatória, pois é também o seu objectivo, atingir a fase de grupos. Vamos aguardar pelo desfecho dos jogos...

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »