Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Palancas com entrega

20 de Março, 2017
Os Palancas Negras voltam ao trabalho para dar corpo à preparação do jogo de carácter particular, no próximo dia 28 de Março, diante da sua congénere da África do Sul. A convocatória divulgada na última semana, apesar de levantar algumas contestações, acaba por ser consensual, porque envolve aqueles que se julga estar na melhor forma desportiva.

O grupo não integra jogadores como o guarda-redes Tony Cabaça, do 1º de Agosto, e Carlinhos, do Petro de Luanda, consistindo o pomo da discórdia de certas pessoas na ausência das duas unidades. É ao seleccionador nacional que cabe a última palavra, e sobre o que decidir, é o que deve ser aceite e respeitado.

Portanto, não deve haver motivos para contestar as escolhas, mais a mais porque o seleccionador é alguém que no quadro das suas obrigações profissionais acompanha de perto a evolução do campeonato nacional, bem assim como a evolução individual de certos atletas que representam emblemas estrangeiros.

O que se exige, agora, é um aproveitamento integral do tempo para um trabalho de preparação eficaz e responsável, não só com vista o jogo do dia 28, como também os outros que se vão seguir, e por sinal de maior responsabilidade, como aqueles que se inserem no torneio de qualificação ao CAN\'2019.

Quanto a isso, pode não haver muita preocupação, sabendo que o grupo com algumas ligeiras mexidas, já se conhece perfeitamente, embora seja sempre importante rever os esquemas ou introduzir algumas inovações no modelo de trabalho. Estamos certos que o grupo infunde confiança ao seleccionador nacional e aos amantes do futebol.

Sabemos que Camarões\'2019 é uma meta, que para generalidade de angolanos que lidam com o futebol não deve escapar, e para tanto, urge conjugar esforços redobrados para que a prestação e os resultados neste torneio correspondam às ambições sustentadas. À partida, fique claro não vai ser fácil, embora, nada é impossível.

Portanto, a selecção precisa de trabalhar muito para conseguir o nível competitivo suficiente, e fazer face às exigências competitivas do grupo, onde o Burkina Faso é sem dúvida o adversário mais temível, face à qualidade futebolística que demonstra nos últimos tempos, como consequência de um grande crescimento.

Últimas Opiniões

  • 11 de Dezembro, 2017

    Citações

    Foram muitas as razões que nos levaram a definir essa escolha, tal como o profissionalismo, a orientação técnica, conhecimento e experiência do futebol, compromisso com a formação, vontade de vencer, ser estudioso permanente do futebol e passar os seus conhecimentos aos treinadores nacionais.

    Ler mais »

  • 11 de Dezembro, 2017

    Crença e acalmia

    A família do futebol nacional deve por esta altura estar mais calma, depois da divulgação do novo seleccionador nacional pela Federação Angolana da modalidade, volvidos que foram os dias de incerteza, agora, com a missão de dirigir os Palancas Negras no seu primeiro compromisso do ano, o da fase final do CHAN que o Reino de Marrocos acolhe.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    São Silvestre é marca

    “Infelizmente, nos últimos tempos, mergulhados numa crise financeira sem precedentes, o desporto angolano vem pagando uma factura bastante pesada e, obviamente o atletismo não fica de parte.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    Cartas dos Leitores

    O futuro a Deus pertence, e se calhar vou terminar a minha carreira aqui no Maquis, e ser campeão nesta equipa.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2017

    Vamos trabalhar

    O técnico deixou a entender que apesar de os objectivos para CHAN serem claros porém a sua ambição como técnico não se esgota nesta competição

    Ler mais »

Ver todas »