Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Palancas e o estgio

08 de Junho, 2019
Ao que tudo indica, a Selecção Nacional de futebol que prepara em Portugal a participação para o CAN\'2019, com início marcado para o próximo dia 21, pode ficar por apenas um jogo de preparação, que acontece hoje com a Guiné Bissau, que se prepara, igualmente, para a mesma competição. O outro jogo, que seria com os Camarões, ficou nos diversos.
Mais uma vez, a diplomacia da Federação Angolana de Futebol não funcionou. Pois, pensamos que tão logo terminou a fase qualificativa, e uma vez alcançado o objectivo, devia estabelecer-se os contactos necessários com algumas federações africanas de futebol, de modo a acautelar a situação. Foi, de resto, este o procedimento que tiveram os outros países qualificados.
Na verdade, não é benéfico chegar a uma competição de tamanha grandeza, sem jogos nos pés. Um jogo, apenas, pode não significar nada. Três, quatro jogos seria o normal. Pois, ia permitir ao Seleccionador Nacional ter uma visão mais apurada, sobre o desempenho individual das unidades convocadas, bem como a desenvoltura da própria equipa.
Por isso, somos de opinião que em lugar do estágio ser em Portugal, fosse em qualquer país africano, que tenha um campeonato com equipas competitivas, com as quais se acertassem jogos de entrosamento, já que com selecções fica um tanto difícil, neste momento, em que todas correm para o mesmo objectivo.
É certo, que o campeonato português, também já terminou e podia fazer-se o mesmo. Mas sabemos das voltas que dá, acertar um jogo com uma equipa da Primeira Liga, nesta altura, em que os jogadores estão dispensados para o gozo de merecidas férias. Outra saída, que era bastante benéfica, era por exemplo, quatro selecções de uma mesma região acertar um torneio quadrangular, embora, a consumação do mesmo passasse pela boa vontade das partes. Portanto, estagiar fora do país, só para trabalhar os aspectos técnico e tácticos sem jogos, é o mesmo que nada.
Se calhar, estagiar no país e efectuar alguns jogos com equipas, como do nível do Sagrada Esperança, Desportivo da Huíla, Kabuscorp e outras, sobretudo, às com poucas unidade entregues à selecção, seria vantajoso. Porém, até ao dia do embarque para o cenário da competição, ainda falta algum tempo e pode ser que apareçam mais adversários.

Últimas Opinies

  • 17 de Junho, 2019

    Perguntem a Qatar Airways ... se eu que me gabo!

    A Qatar Airways, uma das mais prestigiadas companhias aéreas do mundo e a que mais cresce actual e anualmente, com sede no emirado do oriente médio, apoia com muito orgulho uma ampla.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    A falta de patins

    A província da Huíla, que se assume como um viveiro de várias modalidades desportivos no país, como o atletismo, tiro aos pratos, karting, futebol, isto só para citar algumas, enfrenta hoje um verdadeiro dilema, no que diz respeito a massificação do hóquei em patins.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    Palancas: prmios, direitos e patriotismo

    A questão que emergiu agora em Portugal, em tornos dos Palancas Negras, que reclamavam prémios, só acertado à ultima da hora, não é de hoje.

    Ler mais »

  • 17 de Junho, 2019

    Que o Egipto nos ajude!...

    Uma década depois, os Palancas Negras voltam ao Egipto. Sob orientação de Oliveira Gonçalves, com então estatuto de mundialista, o "onze nacional" não foi capaz de se qualificar para outra fase. A presença naquele país assinalava o regresso dos Palancas Negras ao Campeonato Africano das Nações (CAN), cumprindo seis anos de ausência. Foi um CAN memorável, apesar do resultado não ter sido digno de um mundialista

    Ler mais »

  • 15 de Junho, 2019

    Histrico apagado

    Hoje, neste espaço de opinião “A duas mãos”, nos propusemos a falar do Atlético Sport Aviação (ASA), um clube histórico, que movimenta particularmente o futebol e cuja existência remonta desde 1 de Abril de 1953.

    Ler mais »

Ver todas »