Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Palancas e o estgio

08 de Junho, 2019
Ao que tudo indica, a Selecção Nacional de futebol que prepara em Portugal a participação para o CAN\'2019, com início marcado para o próximo dia 21, pode ficar por apenas um jogo de preparação, que acontece hoje com a Guiné Bissau, que se prepara, igualmente, para a mesma competição. O outro jogo, que seria com os Camarões, ficou nos diversos.
Mais uma vez, a diplomacia da Federação Angolana de Futebol não funcionou. Pois, pensamos que tão logo terminou a fase qualificativa, e uma vez alcançado o objectivo, devia estabelecer-se os contactos necessários com algumas federações africanas de futebol, de modo a acautelar a situação. Foi, de resto, este o procedimento que tiveram os outros países qualificados.
Na verdade, não é benéfico chegar a uma competição de tamanha grandeza, sem jogos nos pés. Um jogo, apenas, pode não significar nada. Três, quatro jogos seria o normal. Pois, ia permitir ao Seleccionador Nacional ter uma visão mais apurada, sobre o desempenho individual das unidades convocadas, bem como a desenvoltura da própria equipa.
Por isso, somos de opinião que em lugar do estágio ser em Portugal, fosse em qualquer país africano, que tenha um campeonato com equipas competitivas, com as quais se acertassem jogos de entrosamento, já que com selecções fica um tanto difícil, neste momento, em que todas correm para o mesmo objectivo.
É certo, que o campeonato português, também já terminou e podia fazer-se o mesmo. Mas sabemos das voltas que dá, acertar um jogo com uma equipa da Primeira Liga, nesta altura, em que os jogadores estão dispensados para o gozo de merecidas férias. Outra saída, que era bastante benéfica, era por exemplo, quatro selecções de uma mesma região acertar um torneio quadrangular, embora, a consumação do mesmo passasse pela boa vontade das partes. Portanto, estagiar fora do país, só para trabalhar os aspectos técnico e tácticos sem jogos, é o mesmo que nada.
Se calhar, estagiar no país e efectuar alguns jogos com equipas, como do nível do Sagrada Esperança, Desportivo da Huíla, Kabuscorp e outras, sobretudo, às com poucas unidade entregues à selecção, seria vantajoso. Porém, até ao dia do embarque para o cenário da competição, ainda falta algum tempo e pode ser que apareçam mais adversários.

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »