Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Palancas e o Girabola

07 de Agosto, 2017
O anúncio da convocatória dos jogadores para os Palancas Negras, concernente ao jogo da derradeira eliminatória para a fase final do CHAN, com o Madagáscar no Quénia, no próximo ano, e o começo da preparação do conjunto a partir de hoje para o encontro da primeira -mão, no domingo, implica nova paragem ao Girabola por cerca de 15 dias, o que é sempre susceptível de criar mal-entendidos e incompreensões entre os homens do futebol, particularmente, daqueles cujas equipas estão engajadas, no momento, na disputa do Girabola

Os compromissos da Selecção Nacional são sagrados, os clubes também têm os seus interesses, daí, que essas paragens levem sempre a fricções nada agradáveis, para a imagem do próprio futebol no país.

É certo, que o Girabola deve ser dos campeonatos com mais paragens, mas num outro ângulo de visão, há que salvaguardar os interesses da equipa de todos os nós, ademais, nessa tentativa de resgatar o prestígio perdido há muito, por força dos maus resultados nas competições internacionais, tanto nas provas continentais como nas organizadas pela FIFA, particularmente, as que apuraram os representantes de África na maior cimeira mundial.

Depois do último mundial, o futebol nacional perdeu fulgor, identidade, andou à deriva e à procura de rumo, mesmo com contratações feitas em termos de treinadores para os Palancas Negras, foram apostas infrutíferas do órgão reitor.

Nem mesmo no CAN que Angola organizou pôde subir ao pódio, embora, em termos de investimento tenham ficado os Estádios construídos, estes, também sem a devida manutenção.É legítimo, por isso, que o novo elenco federativo queira fazer a competição continental reservada aos jogadores locais, uma rampa de relançamento do futebol nacional além-fronteira, com os melhores resultados possíveis que permitam chegar aos grandes palcos africanos.

Daí, pois, essa insistência nas paragens do Girabola, que na sua óptica e na do corpo técnico da selecção, podem permitir uma melhor preparação do conjunto, mais a mais, quando está a 180 minutos de marcar presença no torneio do Quénia. As incompreensões resolvem-se com o diálogo, pelo que os clubes e o órgão respectivo da Federação Angolana de Futebol devem sentar-se sempre à mesma mesa, para encontrar sempre o meio termo para as situações complicadas.

Os Palancas Negras precisam do apoio, para saírem bem na fotografia nos seus compromissos internacionais, mas o Girabola precisa de regularidade possível, para que as sucessivas paragens não belisquem a qualidade.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »