Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Paragem prolongada

06 de Junho, 2015
Os três compromissos dos Palancas Negras, para as eliminatórias ao CAN/2017 e CHAN/2016, obrigou a FAF a paralisar o Girabola. Uma paralisação atípica, diga-se, de aproximadamente 40 dias. A 15ª e última jornada da primeira volta do Girabola, terminou no passado dia 31 de Maio e só reata no próximo dia 10 de Julho! Não se justifica essa longa paragem. Aliás, Angola é o único país do mundo que o seu Campeonato Nacional pára por muito tempo, sempre que a Selecção Nacional tenha um compromisso!

O primeiro compromisso é no próximo fim-de-semana, concretamente no dia 13, diante da RCA para as eliminatórias ao CAN/2017. No dia seguinte ao jogo, isso a 14, os Palancas Negras viajam para Joanesburgo, onde vão permanecer concentrados até a véspera do primeiro dos dois jogos com a Swazilândia, para as eliminatórias ao CHAN.

A primeira mão, em Mbambane, está agendada para o dia 21 do corrente. O regresso à capital do país acontece no dia seguinte ao jogo ( dia 22) e os jogadores devem ser dispensados por cinco dias. Regressam ao trabalho no dia 27 para jogarem os derradeiros 90 minutos a 4 de Julho.

Comparado com o que acontece lá fora, no Brasil, por exemplo, a selecção vai disputar a Copa América e o campeonato nacional, o “Brasileirão”, não vai sofrer qualquer interrupção, segue o curso normal.

O problema, que esta paragem prolongada levanta, tem diversas dimensões e põe alguns agentes em conflito, porque não é nada salutar para o nosso desporto e em particular para o nosso futebol, cujos dirigentes perdem alguma credibilidade.

Quando se analisa a repercussão dessas “férias” prolongadas, surgem em equação as implicações desportivas e financeiras, que têm um denominador comum a gestão do nível competitivo de cada uma das equipas.

Do ponto de vista financeiro, é óbvio, que a paragem não é benéfica, mas há vantagens. Na vertente da gestão dos planteis das equipas, permite que os jogadores descansem, se recuperem de lesões e também dá tempo para fazer-se uma avaliação do que foi feito até à data, numa altura em que o mercado de transferências reabre.

Os 40 dias de paragem do Girabola, vai beneficiar umas equipas e prejudicar outras. Em termos técnico -tácticos, não temos dúvidas em dizer que muitos jogadores vão perder a boa forma, porque não vão cumprir os regimes e programas de treino que levam e mesmo que cumpram, perdem a noção do jogo colectivo.

Essa paragem vai forçar a prova a não terminar na data prevista. A FAF, para tentar defender a sua dama, vai alterar toda a programação, agendar duas jornadas por semana, para que a prova termine no prazo previsto e os representantes angolanos nas provas sob a égide da CAF sejam inscritos dentro dos limites. O erro de sempre tende a repetir-se.

Últimas Opinies

  • 24 de Agosto, 2019

    O amiguismo na resciso

    O assunto de momento no nosso futebol, convenhamos, é sem dúvidas o desenlace entre a Federação Angolana de Futebol (FAF) e o técnico Srdjan Vasiljevic, em face de algumas situações que vinham acontecendo e que originou que se estalasse o verniz.

    Ler mais »

  • 24 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os jogadores aguardaram isso dos dirigentes, para que a motivação crescesse

    Ler mais »

  • 24 de Agosto, 2019

    O sonho dos grupos

    Após as vitórias extramuros nas deslocações à Tanzânia e ao Lesotho, o 1º de Agosto e Petro têm, neste fim-de-semana, a oportunidade soberana de confirmarem a qualificação para última eliminatória de acesso a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Viemos a público para responder ou esclarecer o que aconteceu.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

Ver todas »