Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Paragens do Girabola

22 de Junho, 2016
Muita água há de correr ainda debaixo da ponte, em relação à prolongada paragem a que o Girabola Zap está sujeito, por esta altura, com o argumento da primazia aos compromissos dos Palancas Negras.Acreditamos que parar o campeonato por 21 dias, não seja uma decisão unilateral da Federação Angolana de Futebol, e por isso, não deve aparecer como a má da fita. O órgão reitor do futebol nacional tem privilegiado o diálogo com os clubes do Girabola, para em conjunto traçar o caminho para as competições nacionais mais importantes, campeonato nacional e Taça de Angola, uma atitude enaltecida por alguns dirigente em diversas ocasiões.

Por isso, julgamos ter havido um acordo para a pausa que se verifica, convenhamos que acaba por penalizar os clubes. Porém, e com o surgimento agora, de algumas vozes discordantes a manifestarem-se contra a prolongada paragem, concretamente de treinadores, parece que não houve sintonia entre dirigentes e técnicos.

Os grandes campeonatos não têm paragens como o nosso, daí, a competitividade que têm, porque os jogadores têm sempre o mesmo ritmo e os treinadores sabem como dar forma e competitividade às suas equipas.É certo que a preparação dos Palancas Negras, como equipa de todos nós, merece toda a primazia. Contudo, temos de ter em linha de conta, que a Selecção Nacional em termos internacionais só tem de cumprir calendário na corrida para a fase final do Gabão, pelo que se devia arranjar um meio termo, para que mesmo sem prejuízo da selecção, a paragem do campeonato fosse mínima. Com esse defeso, os clubes que vinham de um embalo da primeira volta, estão sujeitos a reprogramar tudo para que os jogadores estejam em pleno, no recomeço da competição.

Os técnicos Jorge Humberto Chaves, quadro do 1º de Agosto, e João Machado, treinador do 4 de Abril do Cuando Cubango, são vozes que merecem ser ouvidas e manifestaram-se contra esse longo período de pausa, com o segundo a falar, inclusive, de interesses económicos a estarem na base desse "defeso".De resto, com o Girabola Zap parado, e com o mercado a ficar agitado devido a janela de transferências, em que os clubes fazem contas e olham para os cofres para melhor comprar sem gastar muito, o campeonato ainda que parado, vai continuar a "jogar", sempre com polémicas à mistura.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »