Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Parcerias no andebol

22 de Dezembro, 2018
O recente acordo de parceria estabelecido entre a Federação Angolana de Andebol e a Academia de Francesa para realização de estágios de treinadores nacionais surge como uma lufada de ar fresco para modalidade.
Não só pelo facto de permitir, nos tempos vindouros, o reconhecimento da formação de técnicos, mas sobretudo também para elevar a fasquia do andebol nacional, em que o país assume por esta altura a hegemonia em África, a nível do sector feminino.
Aliás, a conquista do 13º título pela Selecção Nacional de Andebol sénior feminina não é mais senão do que corolário do trabalho que vem sendo feito internamente a nível da modalidade. O recente título conquistado em Brazzaville pelas nossas Pérolas prova esse estatuto das angolanas e daí que acordos do género vem mesmo a calhar.
O anúncio dessa parceria entre a Federação de Andebol e a Academia Francesa feita recentemente pelo responsável máximo do órgão reitor da modalidade no país, Pedro Godinho, durante a tomada de posse da Associação de Treinadores da modalidade, mereceu vivos aplausos dos agentes desportivos. E não podia ser contrário, porque além de criar novos horizontes para o andebol no país permite também um maior intercâmbio para lá das nossas fronteiras no que a modalidade diz respeito.
A Academia Francesa de Andebol passa, desse modo, a ser uma forte parceira da Federação Angolana da modalidade, tal como realçou o presidente desta, Pedro Godinho, ao detalhar as valências da Associação de Treinadores, ora empossada.
Pedro Godinho assegura, para o efeito, que a criação Associação de Treinadores de Andebol de Angola (ATAA) traduz um ganho e que se afigura acima de tudo com um “braço direito” da Federação e uma ferramenta que permitir definir o rumo da modalidade no país.
A associação, que é encabeçada por Edgar Neto, antigo seleccionador nacional de andebol, e integrada por outras figuras proeminentes da modalidade no país, tem, entre outras metas traçadas, a de procurar dar maior dignidade aos treinadores do país.
O presidente da Associação avança, ainda, a formação de treinadores de guarda-redes, o apoio a própria Federação de Andebol o e curso dirigidos a especialistas da modalidade na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) como outras tarefas agendadas.
Os integrantes do elenco dirigido por Edgar Neto além das boas-vindas dadas à Associação de Treinadores, esperam um trabalho árduo para que Angola se mantenha na senda de títulos a nível África, assim como a forte aposta na base e ter-se treinadores capazes para elevar cada vez o desporto angolano, particularmente no andebol. Contudo, é importante reconhecer que só com grande entrega e dedicação será possível efectivar-se esses propósitos. E o nosso andebol já provou por A+B que tem condições para tal...

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »