Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Parente pobre

02 de Junho, 2018
Todo aquele que tinha, entre finais dos anos 70 e princípio da década seguinte, uma noção vaga das coisas pode corroborar, se dissermos que a projecção do nome de Angola na arena mundial ficou a dever-se fundamentalmente à acção prática da actividade desportiva. Não deve ser nenhum desatino aferir, que em determinada época do percurso histórico do nosso país, o desporto jogou um papel determinante.
Dilacerada pelos horrores da guerra, que era movida pelas forças invasoras sul africanas, e pelo inimigo interno, a imagem que se tinha de Angola pelo mundo, era de um espaço territorial terrível em que se sobrevivia à custa de muito sacrifício. Logo, não era convidativo a ninguém. Contudo, por via do desporto conseguia-se passar outra mensagem e chamar os mais cépticos e pessimistas à razão.
A participação das nossas selecções em competições regionais, no quadro da chamada \"política de amizade e solidariedade para com os outros povos\" que comungavam o mesmo princípio ideológico, mostrava ao mundo que Angola, apesar do esforço que conjugava para afastar para longe os tentáculos da guerra, era um Estado soberano com uma vivência que não fugia à dos outros povos em clima de paz.
Aliás, a determinação competitiva que provinha de resultados bem conseguidos, mostrava o que era o nosso país. E, assim, passou a ser conhecido, atraiu os outros povos. Nem tudo era guerra. Havia o outro lado positivo, confirmado com a presença, pela primeira vez, nos Jogos Olímpicos de Moscovo, em 1980.
Podíamos por aqui aferir, que a par do Ministério das Relações Exteriores, o pelouro do Desporto, que na época não era dirigido por um ministério, mas por uma Secretária de Estado, foi dos mais determinantes e acutilantes na promoção da imagem de Angola, para lá das nossas fronteiras. Por isso, é admirável que hoje tenha quase ganho o estatuto de \"parente pobre\" do sistema.
É para esse entendimento, que nos conduzem as coisas más que ocorrem no sector. A gritante desatenção às selecções nacionais, em quase todas modalidades, mesmo em véspera de competições internacionais. A permissividade perante a degradação de infra-estruturas que não custaram pouco aos cofres públicos, etc. etc.
Agora, a única pista de tartan do país ( Estádio dos Coqueiros), está com os dias contados, porque a manutenção não existe, faz tempo. Que rumo se pretende para o desporto nacional? Pelo que descrevemos, mais atrás, escapa à percepção de quem direito estar nem aí para o desporto, como quem diz: \"já não é uma arma que me sirva.\" Até onde chegamos?!...


Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »