Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Patins afinados

06 de Outubro, 2018
A edição de 2018 do campeonato nacional de hóquei em patins tem início hoje, a partir das 14 horas, com o desafio que opõe no pavilhão anexo número 1 da Cidadela Desportiva, em Luanda, o Exército ao Instituto Superior Técnico Militar (ISTM).
Com efeito, esta época vamos ter um campeonato com dez equipas e o mais longo dos últimos anos. Sendo o hóquei em patins das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo, este ano a prova nacional conhece um modelo de disputa diferente.
Enquanto nas edições anteriores as equipas concentravam-se todas num ponto, por um período de aproximadamente 10 dias para disputar o campeonato, a presente época é inovada com jogos na primeira fase no sistema de “todos contra todos” a uma mão.
Após a realização desta etapa inicial da competição são apuradas as quatro primeiras equipas para as meias-finais. Os desafios das meias-finais serão efectuados no sistema cruzado e de “play-off”, a melhor de cinco jogos.
Com início a 15 de Novembro, a segunda fase do campeonato nacional de hóquei patins termina com a consagração do campeão, após uma final jogada igualmente em “play-off”, mas a melhor de cinco jogos. E nesse quesito do afinar dos patins pelas equipas engajadas no presente do campeonato de hóquei salta à vista o facto de a maior parte dessas serem militares, excepção feita ao Petro, Académica de Luanda, Hóquei 300 e a formação do Hóquei Clube do Lobito, por sinal a única que actua fora da capital.
E dado o facto de a turma lobitanga ser a única que actua fora de Luanda, a organização do campeonato pretende que as deslocações para o município portuário da província de Benguela se façam com caravanas de mais de uma equipa.
Nessa perspectiva, além destas defrontarem a equipa local, poderiam, eventualmente, realizar um “mini torneio” com jogos entre si, no município do Lobito. Por seu turno, ao deslocar-se a Luanda, a equipa do Hóquei Clube do Lobito poderia, também, realizar o maior número de jogos possíveis na capital com os demais conjuntos.
A articulação dessa estratégia da realização de vários jogos no Lobito e concomitantemente do emblema local em Luanda, além de facilitar a situação financeira dos clubes daria também a possibilidade de os adeptos destas paragens da província de Benguela verem o hóquei exibido por outras equipas.
É importante realçar que estão inscritas na presente edição do campeonato nacional de hóquei em patins as equipas do 1º de Agosto, Petro de Luanda, Marinha de Guerra, Instituto Superior Técnico Militar (ISTM), Estado Maior, Académica de Luanda, Hóquei 300, Exército e Juventude de Viana, todos em representação da capital do país, e assim como a formação do Hóquei Clube do Lobito, da província de Benguela.
A Académica de Luanda desfila no certame que tem início hoje, exibindo-se nas vestes de detentor do troféu, enquanto o Hóquei 300 e ISTM são as duas equipas estreantes.
E adivinha-se, para já, uma disputa acesa nesta prova de hóquei em patins, modalidade em que Angola assume-se hoje como uma potência não só a nível do continente Berço da Humanidade, a África, mas até à esfera mundial.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »