Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Pensar nos trs pontos

29 de Junho, 2019
As atenções de todos os angolanos, amantes ou não do desporto, estarão hoje, a partir das 15h30, centradas no Egipto, precisamente na cidade de Suez, onde a Selecção Nacional, vai defrontar a sua congénere da Mauritânia, em desafio da segunda jornada do Grupo E, fase final da Taça das Nações.
A selecção angolana volta a reencontrar a Mauritânia, desta feita na fase final da Taça das Nações. Os últimos dois duelos entre estas duas equipas, mostraram um grande equilíbrio de forças, tendo o ascendente a equipa que jogou perante o seu público.
Os mauritanianos vencerampor 1-0 e os angolanos por 4-1,em Luanda, depois de estarem a perder. Tendo estes dados em conta, espera-se algo na mesma linha: um desafio aliciante, sem prognósticos e onde a vitória acabará por sorrir a equipa que menos erros cometer.
A selecção da Mauritânia tem sido uma das boas surpresas a nível internacional, conseguindo resultados dignos de nota nos últimos anos. A fase de apuramento para esta fase final da Taça das Nações foi desde logo um bom começo, cujas performances também foram muito elogiadas por todos. Aliás, alcançou o visto de entrada na fase final de forma antecipada.
Espera-se uma partida bastante fechada, já que um pequeno deslize pode significar o abandono da prova. As duas equipas têm legítimas expectativas em chegar aos oitavos de final e, por isso, a preocupação estará mais em salvaguardar a defesa do que propriamente o ataque.
Estas são duas equipas bastante equilibradas nos seus modelos de jogo e a própria filosofia do técnico Srdjan Vasiljevic tende a empurrar os jogos com mais tendências ofensivas, sem descurar a componente defensiva.
Os Palancas Negras têm todas as condições para vencerem o jogo de mais logo contra a Mauritânia. Aliás, entram motivados para este duelo, principalmente depois do excelente empate (1-1) alcançado na ronda inaugural, diante da forte Tunísia. A tendência será termos um jogo aberto e com oportunidades de golos para as duas selecções.
Por aquilo que observamos nos dois jogos entre as duas selecções, ainda na fase de apuramento, a Mauritânia tentará defender de forma coesa e surpreender a selecção angolana através dos contra ataques. Aliás, isto foi visivel no jogo realizado em Luanda, onde chegou a estar em vantagem.
Por outro lado, pela maturidade e fome de bola dos Palancas Negras, que já não chegavam a uma fase final de uma grande competição há seis anos, prevemos que este grupo entre com uma enorme vontade de vencer e conquistar não só os três pontos como também ficar mais próximo dos oitavos de final. É esta a vontade de todos os angolanos.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »