Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Pensar nos trs pontos

29 de Junho, 2019
As atenções de todos os angolanos, amantes ou não do desporto, estarão hoje, a partir das 15h30, centradas no Egipto, precisamente na cidade de Suez, onde a Selecção Nacional, vai defrontar a sua congénere da Mauritânia, em desafio da segunda jornada do Grupo E, fase final da Taça das Nações.
A selecção angolana volta a reencontrar a Mauritânia, desta feita na fase final da Taça das Nações. Os últimos dois duelos entre estas duas equipas, mostraram um grande equilíbrio de forças, tendo o ascendente a equipa que jogou perante o seu público.
Os mauritanianos vencerampor 1-0 e os angolanos por 4-1,em Luanda, depois de estarem a perder. Tendo estes dados em conta, espera-se algo na mesma linha: um desafio aliciante, sem prognósticos e onde a vitória acabará por sorrir a equipa que menos erros cometer.
A selecção da Mauritânia tem sido uma das boas surpresas a nível internacional, conseguindo resultados dignos de nota nos últimos anos. A fase de apuramento para esta fase final da Taça das Nações foi desde logo um bom começo, cujas performances também foram muito elogiadas por todos. Aliás, alcançou o visto de entrada na fase final de forma antecipada.
Espera-se uma partida bastante fechada, já que um pequeno deslize pode significar o abandono da prova. As duas equipas têm legítimas expectativas em chegar aos oitavos de final e, por isso, a preocupação estará mais em salvaguardar a defesa do que propriamente o ataque.
Estas são duas equipas bastante equilibradas nos seus modelos de jogo e a própria filosofia do técnico Srdjan Vasiljevic tende a empurrar os jogos com mais tendências ofensivas, sem descurar a componente defensiva.
Os Palancas Negras têm todas as condições para vencerem o jogo de mais logo contra a Mauritânia. Aliás, entram motivados para este duelo, principalmente depois do excelente empate (1-1) alcançado na ronda inaugural, diante da forte Tunísia. A tendência será termos um jogo aberto e com oportunidades de golos para as duas selecções.
Por aquilo que observamos nos dois jogos entre as duas selecções, ainda na fase de apuramento, a Mauritânia tentará defender de forma coesa e surpreender a selecção angolana através dos contra ataques. Aliás, isto foi visivel no jogo realizado em Luanda, onde chegou a estar em vantagem.
Por outro lado, pela maturidade e fome de bola dos Palancas Negras, que já não chegavam a uma fase final de uma grande competição há seis anos, prevemos que este grupo entre com uma enorme vontade de vencer e conquistar não só os três pontos como também ficar mais próximo dos oitavos de final. É esta a vontade de todos os angolanos.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »