Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Perto do objectivo!

14 de Janeiro, 2019
Numa ronda, cujo arranque foi marcado por três empates, o Petro de Luanda foi feliz na deslocação a Bamako, Mali, onde apontou um golo no Estádio Madibo Keita, frente ao Stade Malien local, que lhe pode ser favorável nas contas para o acesso à fase de grupos da Taça da Confederação. Com este resultado, a equipa do “eixo-viário” fica a 90 minutos de materializar o retorno à fase de grupos da prova, o que já não acontece há 13 anos.
E como se disse, sábado, no arranque desta derradeira eliminatória de acesso aos grupos da segunda maior prova de clubes da Confederação Africana de Futebol (CAF), destacaram-se os empates. Além da partilha de pontos entre o Petro e o Stade Malien, verificaram-se ainda os empates a uma bola entre o African Stars da Namíbia e o Raja de Casablanca do Marrocos e a zero bolas entre Vipers do Uganda e Sfaxien da Tunísia.
O único sobrevivente angolano nas Afrotaças, isto na sequência do inesperado afastamento do campeão em título, 1º de Agosto, na primeira eliminatória da Liga dos Clubes Campeões, pôde, efectivamente, voltar a conquistar África.
Mas para tal, terá de explorar o máximo possível a sua condição de anfitrião no jogo do próximo sábado, dia 19, no Estádio Nacional 11 de Novembro, para repetir a proeza da edição de 2006, ano em que se fez presente pela última vez na fase de grupos.
De lá para cá, o emblema tricolor do “eixo-viário” vem coleccionando uma série de fracassos nessa segunda maior competição de clubes a nível continental. O Petro terá, por assim dizer, de fazer da excelência uma divisa neste jogo da segunda “mão”, para desse modo levar a água ao seu moinho com o possível retorno à fase de grupos.
E o golo apontado por Vá em Bamako pode, de forma inequívoca, pesar na balança a favor do Petro, pois caso consiga repetir a proeza em casa, isto obriga a que a formação do Mali corra atrás do prejuízo. Qualquer empate por mais de uma bola afasta o embaixador angolano da possibilidade de chegar à fase dos grupos.
Por isso, o melhor dos cenários que pode acontecer e que favorece a equipa angolana é a vitória ou, na pior das hipóteses, um empate sem golos. Mas ainda assim, estamos em crer que o técnico Beto Bianchi tem plena consciência das responsabilidades que lhe reservam este segundo jogo, daí que terá de armar um esquema capaz de contrapor aos intentos da formação do Stade Malien.
E para isso, o público surge aqui também como um importante factor, que pode ajudar o emblema tricolor a cortar a meta a frente da turma maliana, neste derradeiro duelo de acesso à fase de grupos da Taça da Confederação.
Atitude e determinção é o que se recomenda aos pupilos de Beto Bianchi, no jogo do próximo dia 19. O resto vem por acréscimo. Contudo, é importante não perder o foco para a baliza adversária, pois só sim o Petro poderá sair do desafio a sorrir e assinalar mais uma presença na fase de grupos da Taça da Confederação. Temos de acreditar!...

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »