Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Petro de Luanda no topo

23 de Abril, 2018
Fez-se luz, na Taça das Taças de África de andebol feminino, as angolanas voltam a estar de novo na ribalta.
O título continental regressa a Angola por via do Petro de Luanda que ontem venceu o 1º de Agosto por 23-19 na grande final angolana entre duas equipas que não têm pejo em discutir os títulos africanos ao nível de clubes entre si, não dão espaços à concorrência, pois, colocam os restantes participantes na situação de meros figurantes.
O andebol angolano mostrou no Cairo que tem estofo para continuar a mandar entre as fronteiras do continente, com um domínio que se estende das selecções nacionais aos mais diversos escalões, aos clubes 1º de Agosto e Petro de Luanda, em que as Pérolas surgem como um exemplo vivo do “sete” com espírito ganhador e orgulho de ser um digno representante de África nas grandes montras mundiais, Jogos Olímpicos e Campeonatos do Mundo.
Os dois emblemas, da final de ontem, transportaram para o Cairo a rivalidade que evidenciam intra-muros nas diversas competições emque participam, tais como, “provinciais”,Taça de Angola e Campeonatos Nacionais, quase sempre com vencedores incógnitos, todavia, com as militares em vantagem nos “Nacionais” e campeonatos provinciais nos últimos três anos, só superados pelas petrolíferas na Taça de Angola e na Supertaça Francisco de Almeida.
Internamente, o Petro de Luanda regista 23 títulos na sua exposição de troféus, contra seis do seu rival conquistados nos últimos tempos, o que espelha bem o sentimento que paira quando os dois conjuntos se defrontam, cada um ávido de mostrar superioridade.
As equipas angolanas passearam classe na capital egípcia e chegaram invictas à final. Desde o arranque da prova, tanto o Petro de Luanda como o 1º de Agosto deram indícios de terem condições para proporcionar mais uma final angolana, numa prova de dimensão continental.
Em função disso, a trajectória de ambas nada teve de surpreendente, até porque colocadas em séries diferentes por força do sorteio antecipadamente efectuado, tinham condições de se cruzarem na final, tal como acabou por acontecer.
Em África, a hegemonia das duas equipas iniciou em 2008, com o Petro de Luanda a conquistar o evento, consecutivamente até 2014, seguiu-se a era do 1º de Agosto que venceu de 2015 a 2017.
De resto, os dois colossos do andebol cá de casa e do continente, constituem o sustentáculo da Selecção Nacional. As suas performances, nas provas continentais, dão garantias à continuidade da hegemonia angolana em África, a nível do escalão sénior.

Últimas Opinies

  • 21 de Janeiro, 2019

    Um Sindicato forte trava a FAF e os clubes

    Na passada quinta-feira, este jornal publicou uma notícia que, bem entendida, gravita em torno de uma questão já  antiga, porque, entre nós, ela não é nova. É um assunto que aflige muitos "fazedores" do nosso futebol, sobretudo os sofridos jogadores devido à ausência de um portentoso Sindicato que os defenda perante os clubes e a federação.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Citaes

    Estamos num grupo muito difícil (da AfroLiga, a nova designação da Liga dos Clubes Campeões).

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Regresso aos grupos

    Treze anos depois o Petro de Luanda volta a marcar presença na fase de grupos da Taça da Confederação, a segunda competição mais importante de clubes do órgão que superintende o futebol a nível continental.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    Por aqui passou Angola

    Os mais novos desconhecem, mas os que têm certa idade recordam-se da mania do "por aqui passou", vivida no princípio da década de 90, se não estou em erro.

    Ler mais »

  • 21 de Janeiro, 2019

    O vazio das assembleias da FAF

    É quase uma tradição,  reunirmos e no final sairmos com as pastas cheios de nada. Essas são as minhas expectativas em relação à assembleia da Federação Angolana de Futebol (FAF).

    Ler mais »

Ver todas »