Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Petro de Luanda no topo

23 de Abril, 2018
Fez-se luz, na Taça das Taças de África de andebol feminino, as angolanas voltam a estar de novo na ribalta.
O título continental regressa a Angola por via do Petro de Luanda que ontem venceu o 1º de Agosto por 23-19 na grande final angolana entre duas equipas que não têm pejo em discutir os títulos africanos ao nível de clubes entre si, não dão espaços à concorrência, pois, colocam os restantes participantes na situação de meros figurantes.
O andebol angolano mostrou no Cairo que tem estofo para continuar a mandar entre as fronteiras do continente, com um domínio que se estende das selecções nacionais aos mais diversos escalões, aos clubes 1º de Agosto e Petro de Luanda, em que as Pérolas surgem como um exemplo vivo do “sete” com espírito ganhador e orgulho de ser um digno representante de África nas grandes montras mundiais, Jogos Olímpicos e Campeonatos do Mundo.
Os dois emblemas, da final de ontem, transportaram para o Cairo a rivalidade que evidenciam intra-muros nas diversas competições emque participam, tais como, “provinciais”,Taça de Angola e Campeonatos Nacionais, quase sempre com vencedores incógnitos, todavia, com as militares em vantagem nos “Nacionais” e campeonatos provinciais nos últimos três anos, só superados pelas petrolíferas na Taça de Angola e na Supertaça Francisco de Almeida.
Internamente, o Petro de Luanda regista 23 títulos na sua exposição de troféus, contra seis do seu rival conquistados nos últimos tempos, o que espelha bem o sentimento que paira quando os dois conjuntos se defrontam, cada um ávido de mostrar superioridade.
As equipas angolanas passearam classe na capital egípcia e chegaram invictas à final. Desde o arranque da prova, tanto o Petro de Luanda como o 1º de Agosto deram indícios de terem condições para proporcionar mais uma final angolana, numa prova de dimensão continental.
Em função disso, a trajectória de ambas nada teve de surpreendente, até porque colocadas em séries diferentes por força do sorteio antecipadamente efectuado, tinham condições de se cruzarem na final, tal como acabou por acontecer.
Em África, a hegemonia das duas equipas iniciou em 2008, com o Petro de Luanda a conquistar o evento, consecutivamente até 2014, seguiu-se a era do 1º de Agosto que venceu de 2015 a 2017.
De resto, os dois colossos do andebol cá de casa e do continente, constituem o sustentáculo da Selecção Nacional. As suas performances, nas provas continentais, dão garantias à continuidade da hegemonia angolana em África, a nível do escalão sénior.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »