Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Preparao da corrida

21 de Dezembro, 2013
A realização do pré-São Silvestre no passado domingo serviu para avaliar o estado de prontidão da máquina organizativa. Apesar de uma ou outra situação ainda por resolver, no geral o balanço foi positivo em todas as áreas. A dez dias do tiro de largada, poder-se-á perspectivar, uma vez mais, uma prova com um bom nível de organização e bastante renhida do ponto de vista competitivo.

A par da preparação das condições para a São Silvestre a organização também trabalha nos aspectos relativos à realização do Meeting Internacional, que acontece no dia a seguir à tradicional corrida de fim-de-ano. O objectivo da federação é, no final, superar todas as expectativas. Quer a principal prova, a corrida de São Silvestre, quer a complementar, o Meeting Internacional, potenciam a competição do nosso país, que ano após ano vai ganhando mais notoriedade internacional, com a presença de atletas de referência mundial a disputarem as provas de fundo.

Tal como nos dois últimos anos, neste também se espera uma organização de bom nível, além da entrega total dos corredores, que deverão bater-se com garra e estoicismo, numa clara demonstração de competitividade, o principal ingrediente nas competições de atletismo.

No ano passado, os vencedores da edição de 2011 não regressaram em 2012 por razões que acabaram não muito bem esclarecidas na altura. Este ano ainda não houve qualquer informação sobre eventual temor de que os campeões do ano passado, o etíope Atsedu Tesfaye e a queniana Kipkoech Chepkorir, não venham defender os títulos conquistados.

No geral, podemos afirmar sem medo de errar que o balanço do trabalho que está a ser desenvolvido pelas entidades afectas à organização, nomeadamente a Federação Angolana de Atletismo, o Governo da Província de Luanda e o Comando Geral da Polícia Nacional é positivo. Como se disse no início, durante a pré-São Silvestre houve aspectos positivos e negativos que foram registados mas que não chegam a constituir preocupação de monta para abalar o notável trabalho que tem vindo a ser desenvolvido e intensificado pelo grupo operativo da organização da 58.ª edição da prova.

A direcção da federação começou a trabalhar nos preparativos desta edição tão logo terminou a São Silvestre de 2012. Esta antecedência permitiu que se chegasse a esta altura sem muitos sobressaltos, faltando apenas limar as arestas que ainda persistem antes do tiro de largada às 17h00 do dia 31.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »