Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Preservar as infra-estruturas

15 de Janeiro, 2016
O desenvolvimento do desporto obriga a existência de infra-estruturas desportivas, que sustentem a prática diária do desporto por milhares de atletas, nas mais diversas disciplinas desportivas, em todo o país.

O Estado tem gasto verbas consideráveis em infra-estruturas erguidas, como estádios de futebol e pavilhões multiusos, assim como piscinas e quadras para o ténis. A realização em Angola do CAN., há seis anos, obrigou a construção de quatros Estádios de futebol, em Luanda, Huíla, Cabinda e Benguela, todos majestosos que contribuíram para que o aspecto organizativo e a competição fosse um êxito, da mesma forma com os pavilhões multiuso para o Mundial de hóquei em patins e para as competições africanas de andebol e basquetebol. O país cresceu, significativamente, em termos de infra-estruturas.

Contudo, há que ter em conta, que esses recintos desportivos precisam de conservação, para que não se assista à degradação. O esforço do Governo para a construção desses recintos desportivos, deve ser completado por acções de manutenção à altura, por quem de direito.

Recintos como o Estádio da Tundavala, por exemplo, têm problemas na sua manutenção, o que inviabiliza a utilização por parte dos habituais utilizadores. As instalações desportivas são criadas para um determinado fim, quando não se cumpre esse objectivo, a degradação desencadeia-se em ritmo acelerado.

Contudo, no meio de algumas notícias más, sobre as nossas infra-estruturas, é bom constatar que em muitos casos a falta de conservação não é um mal generalizado.

Na Lunda Sul, a preservação e utilização dos recintos desportivos, construídos pelo Governo Provincial, é motivo de alegria para a governadora Cândida Narciso, o que demonstra um bom aproveitamento da parte da juventude local e não só.

Na província estão em movimento vários projectos, como a conclusão da piscina olímpica de 50 metros, com capacidade para 700 lugares, o que desde já confirma que os “tanques” naquelas paragens vai ter "água para braçadas", além da melhoria do nível de vida dos citadinos, que vão usufruir de mais horas de lazer naquelas instalações.

Os recintos desportivos são bens comuns e que, por isso mesmo, merecem toda a atenção na gestão, com uma manutenção permanente. A construção exigiu custos elevados, porém, se bem cuidados o seu tempo útil de vida pode estar sempre dentro dos limites.

Hoje temos infra-estruturas que nos orgulham, mas temos de reconhecer que custaram muito dinheiro aos cofres do Estado, pelo que cuidar da sua conservação é um exercício que deve ser diário e exigido.

Últimas Opinies

  • 24 de Agosto, 2019

    O amiguismo na resciso

    O assunto de momento no nosso futebol, convenhamos, é sem dúvidas o desenlace entre a Federação Angolana de Futebol (FAF) e o técnico Srdjan Vasiljevic, em face de algumas situações que vinham acontecendo e que originou que se estalasse o verniz.

    Ler mais »

  • 24 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os jogadores aguardaram isso dos dirigentes, para que a motivação crescesse

    Ler mais »

  • 24 de Agosto, 2019

    O sonho dos grupos

    Após as vitórias extramuros nas deslocações à Tanzânia e ao Lesotho, o 1º de Agosto e Petro têm, neste fim-de-semana, a oportunidade soberana de confirmarem a qualificação para última eliminatória de acesso a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Viemos a público para responder ou esclarecer o que aconteceu.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

Ver todas »