Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Primeiro interregno

10 de Novembro, 2018
O Campeonato Nacional de Futebol da I Divsão, vulgo Girabola Zap, cumpre, neste fim de semana, e isto após a realização da segunda jornada dias 3e 4, o primeiro interregno, face ao engajamento da Selecção Nacional na campanha da Taça de África da Nações.
Com a sua disputa ainda num ritmo brando e com alguns casos pendentes, a maior prova do futebol intramuros tem, assim, de abrir portas, para mais uma ronda da corrida ao Campeonato Africano da Nações (CAN) do próximo ano, nos Camarões.
Longe ainda da perfeição, o combinado nacional defronta o Burkina Faso, num jogo que pode ser de vida morte. É ponto assente que, depois da derrota no reduto da Mauritânia, em Noakchott, os Palancas Negras não podem desperdiçar pontos nesta recepção à congénere burkinabe, sob pena de verem o sonho do CAN-2019, esfumar-se.
Nesse momento, na terceira posição do Grupo I com seis pontos, atrás da Mauritânia, líder com nove, e do seu oponente da quarta jornada no próximo dia 18, com sete, Angola é obrigada a vencer o Burkina Faso no Estádio 11 de Novembro.
Derrota e até mesmo um empate, podem converter-se num precipício para as ambições do combinado nacional, que, nesse caso, veria a sorte da presença nos Camarões por um binóculo.
Por essa razão, o seleccionador nacional Srdjan Vasiljevic, que, disse de viva voz ao nosso jornal, não ser nenhum mágico e que não se quer queimar nessa missão, tem de moldar um conjunto capaz de contrapor os argumentos dos burkinabes, a partida apontados com os mais sérios candidatos a ocupar uma das duas vagas de aceso ao CAN.
É verdade que, a jogar no seu reduto e diante dos seus adeptos, os Palancas Negras assumem maior dose de favoristimo. Contudo, terão de o provar no rectângulo de jogo. Contas feitas, o conjunto continua a depender apenas de si, para qualificação à grande montra do futebol africano, que os Camarões vai albergar no próximo ano.
Uma vitória no jogo do próximo dia 18, relançaria as hipóteses de Angola se qualificar para o CAN-2019, pois abriria uma vantagem sobre o Burkina Faso de dois pontos. Ainda assim, no fecho das contas da campanha, em Março do próximo ano, o combinado nacional ver-se-ia também obrigado a vencer a congénere do Reino do eSwatini (ex-Swazilândia) no derradeiro jogo da campanha, no reduto desta.
Nas contas que se fazem, quer a Mauritânia, quer o Bukina Faso, entram também na concorrência, para este desiderato de inscrever o seu nome na grande montra do futebol continental, que acontece nos Camarões em 2019.
A selecção burkinabe, com um eventual triunfo no duelo do dia 18, deitaria por terra as chances de Angola se qualificar e, nesse caso, a par da Mauritânia, disputaria apenas “pole-position” do Grupo, já que irremediavelmente os dois estariam com um pé no CAN-2019. Mas, como os jogos só terminam após os 90 minutos, os angolanos devem manter a crença de que são capazes de lutar de peito aberto, para não deixar os seus créditos em mãos alheias.
Como é no aproveitar que está o ganho, Angola tem de fazer da excelência uma divisa, para que, no próximo dia 18, leve a melhor sobre o Burkina Faso. E, caso a vitória sorria, o resto é esperar que, na deslocação a ex-Swazilândia, uma nova vitória impere, para que volte a inscrever o seu nome na alta-roda do futebol africano. Vamos todos acreditar!!!...

Últimas Opinies

  • 14 de Dezembro, 2019

    Dcimo lugar reflecte sentido do dever cumprido

    O décimo-quinto lugar conseguido na 24ª edição do Campeonato do Mundo disputado na cidade japonesa de Kumamoto, melhorando o 19º conquistado há dois anos, na Alemanha, constitui uma safra boa.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os nossos atletas estão a corresponder com aquilo que nós almejamos, tentar fazer sempre o nosso melhor, no sentido de disputarmos um campeonato tranquilo para que consigamos, também, na parte final do campeonato, termos essa tranquilidade e a permanência assegurada.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2019

    Quem salva o ASA

    Campeão das edições do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão de 2002, 2003 e de 2004, respectivamente, o Atlético Sport Aviação (ASA), um clube cuja existência remonta desde o longínquo 1 de Abril de 1953, corre o risco de extinguir a sua equipa principal.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Vale a pena continuar a acreditar nos nossos representantes?

    A caminho da terceira jornada, os dois representantes angolanos na fase de grupos de Liga do  Campeões Africanos, continuam a decepcionar. Na primeira jornada, os militares perderam dois preciosos pontos na recepção aos zambianos do Zesco United, enquanto os petrolíferos foram goleados por três bolas a zero em casa do Mamelodi Sundowns da África do Sul.

    Ler mais »

  • 12 de Dezembro, 2019

    Manter a esperana apesar do mau comeo

    Realizadas as duas primeiras jornadas da Liga dos Campeões Africanos, em que estão envolvidas, em representação de Angola, o Clube Desportivo 1º de Agosto e o Atlético Petróleos de Luanda, reservo-me ao direito de expressar o que penso sobre o desempenho das equipas angolanas, que considero ser deficitário não só em termos dos resultados, mas também da qualidade do futebol apresentado.

    Ler mais »

Ver todas »