Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Prioridade da FAF

10 de Março, 2017
Na apresentação do novo técnico dos Palancas Negras, o hispano-brasileiro Beto Bianchi, o presidente da Federação Angolana de Futebol, Artur de Almeida e Silva, aproveitou a oportunidade para anunciar também a continuidade do treinador Languinha Simão à frente dos Sub-17, com o suporte de novos colaboradores para acrescentarem valor à equipa que trabalha para o CAN da categoria, no próximo mês no Gabão.

Tal como apelamos em várias ocasiões neste mesmo espaço, a selecção nacional de futebol de Sub-17 devia constituir-se como uma das grandes prioridades da FAF neste mandato. E parece que o nosso apelo foi escutado pelos novos gestores da federação, a julgar pelas palavras do próprio presidente que em relação a esta selecção disse ser \"a grande prioridade\" do seu elenco.

O facto de o novo timoneiro dos Palancas Negras ser uma pessoa que aposta muito na formação, isso de algum modo facilita a relação vertical entre o seleccionador nacional \"AA\" e aqueles que estão nos escalões mais abaixo, como sendo os Sub-23, Sub-20, Sub-17 e outros.

Aliás, Beto Bianchi disse mesmo que em relação a Languinha Simão não terá qualquer problema com este, pois apesar de apenas agora poderem ter a oportunidade de trabalharem juntos, há muito tem tido contacto, sendo que os jogos dos campeonatos de juvenis e juniores, em Luanda, acabou por ser o elo para esta ligação de dois homens que têm uma paixão muito forte pelo futebol. Quase sempre estão nos diversos campos que acolhem partidas dos escalões de formação.

Para aquilo que se pretende na federação, em termos de visão de médio e longo prazos, isso é muito bom e vai ajudar a concretizar as acções que o \"governo da FAF\" tem para com as selecções nacionais.

Foi bom ouvir o presidente da FAF preocupado com aspecto social dos técnicos, quando disse embora não ser uma prioridade neste momento, é preocupação da FAF ver a questão de transporte do seleccionador de Sub-17, que anda a pé, o que de algum modo não dignifica nada a sua imagem.

A pouco mais de um mês da grande empreitada que é o CAN do Gabão, é importante que os olhos dos dirigentes federativos estejam virados especialmente para selecção Sub-17, que regressa à grande montra do futebol africano17 anos depois de ter marcado a última presença.

Só com boas condições é possível fazer-se um bom trabalho. E neste regresso almeja-se que os Palanquinhas tenha uma boa participação, fazendo por chegar o mais longe possível nesta competição. Por enquanto, a palavra de ordem é trabalho, trabalho, trabalho!

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »