Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Prontido para a corrida

30 de Dezembro, 2017
A última vistoria ao percurso da corrida de São Silvestre que amanhã corre por algumas ruas de Luanda permitiu fazer os últimos acertos no itinerário por onde os fundistas vão passar, tudo se conjuga para que em termos organizativos seja a corrida possível.
Questões de ordem financeira voltam a limitar a organização no que concerne à presença na prova luandense de atletas de renome internacional, tal como já aconteceu no passado, corredores que ajudaram a guindar a corrida luandense como uma das melhores disputadas no último dia de Dezembro.
O recurso a patrocinadores não teve o efeito desejado, por via da crise que emperra o desenvolvimento, mas nem por isso os ânimos esmoreceram porque há que saber encontrar soluções sábias para contornar as dificuldades. Entretanto, não vamos ter uma prova com os altos padrões a que já estávamos acostumados, porém, perspectiva-se uma corrida que saia à rua dentro do que o momento actual permite.
As ruas da capital angolana já tiveram o privilégio de receber atletas de dimensão mundial, e com isso, a marca São Silvestre de Luanda saiu das nossas fronteiras para estender-se aos quatro cantos do globo.
Amanhã quando for dado o tiro de largada, teremos um número reduzido de corredores estrangeiros que vêm de fora, por força das limitações financeiras que afligem a organização da corrida.
A festa do desporto centra-se desde há muito no atletismo que engalana as ruas luandenses durante largos minutos para uma competição em que os angolanos também já deram cartas ao subirem ao lugar mais alto do pódio, com Aurélio Mitty e João Ntyamba que foram os últimos fundistas nacionais a conseguir a proeza, mesmo a competirem ao lado de atletas de renome.
O pódio está reservado às três primeiras figuras que cruzarem a meta, contudo, no íntimo de cada um dos que vão galgar cada nesga de asfalto até ao local de chegada, há certamente a satisfação do dever cumprido ao chegarem ao Estádio dos Coqueiros, onde a competição \"desemboca\" depois de um percurso de cerca de dez quilómetros.
Afinal, trata-se de uma competição popular, para a maioria o importante é chegar e saber que cumpriu a sua parte como mero desafio pessoal, ou em outros casos, como ponto mais alto da própria manutenção física.No domingo, o atletismo por via da São Silvestre volta a centrar as atenções dos angolanos que esperam fechar o ano de 2017 em grande, quiçá, com a consagração de um dos seus atletas na prova que corre em Luanda há 62 anos.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »