Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Proposta da FIFA

20 de Fevereiro, 2020
A ideia de o Campeonato Africano das Nações de futebol passar a ser disputado de quatro em quatro anos, à exemplo do que é o Campeonato Europeu de futebol, foi avançada pela primeira vez, em 1998, em Ouagadougou, no Congresso da CAF, à margem do CAN daquele ano, no Burkina Faso.
A mesma não teve aceitação, pois muitos consideraram que quatro anos de uma edição a outra era o período demasiado longo, ao intervalo do qual podia passar uma geração. Ou seja, um jogador que disputa o seu primeiro campeonato, por exemplo, aos 23 anos, pode não voltar a jogar um segundo, sendo que quando surgir a outra edição está com 27 anos, em alguns casos já com uma carreira comprometida por vários factores.
Outrossim, coloca-se a hipótese de quem faz o primeiro campeonato aos 20 anos. Em caso de na edição seguinte o seu país não se qualificar, já fica com hipóteses bastante remotas de fazer um segundo, já que a terceira possibilidade apanha-lhe com 28 anos, podendo nesta altura estar a emergir novos talentos.
É certo que perante a actual conjuntura económica dos países, talvez a realização do certame com intervalos mais dilatados podia ser benéfico, pois daria uma maior margem de manobra ao anfitrião, que teria tempo suficiente para ir criando as condições de organização, e inclusive tempo para renúncia sem criar constrangimento ao eventual substituto.
Mas alterar um quadro que vigora há 63 anos, desde Cartum’1957, é abrir espaço para uma polémica capaz de atingir contornos incalculáveis. A tendência da esmagadora maioria será sempre de manter as coisas como sempre foram e estão. Alguns poucos, é que se poderão manifestar favoráveis ao figurino proposto agora pela FIFA-Federação Internacional de Futebol Associado.
A pergunta que se põe é a seguinte: em quê que a FIFA pensou para propor este modelo de disputa do campeonato? Na recessão económica dos países africanos ou na defesa de interesses dos grandes emblemas europeus, que absorvem jogadores de origem africana? Escapa a sensação ter sido movida por esta última possibilidade.
Aliás, Samuel Eto’o, antiga estrela do futebol camaronês, reagiu a semana passada a esta posição da FIFA, e disse de forma categórica, que não estava de acordo que o CAN tenha a mesma periodicidade do Europeu. O camaronês foi mais longe e disse mesmo, que o que está em causa é a necessidade de os clubes europeus se verem livres da cedência constante dos seus activos africanos ao serviço das respectivas selecções.
É a FIFA a impor regras no futebol africano. É a isto que os africanos não devem abrir a mão. No quadro dos seus estatutos, a CAF tem o seu modelo de disputa das competições africanas, quer a nível de clubes, quer a nível de selecções. Em seis décadas da fundação da célula máxima do futebol africano não é hoje que lhe vão dar lições de como se deve orientar.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »