Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Proteger o emprego

09 de Abril, 2018
As sanções ou as punições têm regra geral a função de prevenir, inibir que outros possam repetir o acto praticado pelo castigado. Porém, há sanções que podem destruir carreiras como a que foi aplicada ao treinador Agostinho Tramagal.
Não queremos defender o acto ou desvalorizar. As regras existem para acautelar uma convivência sá entre as pessoas, mas quem as aplica tem de ter a capacidade de reflectir sobre as suas consequências em particular em situações como estas.
Suspender um treinador é despedi-lo do clube para o qual trabalha.A Federação de Futebol pode e nao fica nada comprometido o seu poder disciplinador se recuar, rever a medida, e salvaguardar o emprego do treinador, que já prestou serviços ao futebol nacional, orientando selecções jovens. É preciso ser razoável, colocar no centro a pessoa humana. Agostinho Tramagal é chefe de familia, tem no futebol o seu ganha-pao, ficar suspenso por um ano pode significar nao apenas \"matar\" o treinador mas também todos os seus dependentes.
A FAF precisa olhar no seu umbigo e ver que noutras ocasiões e em actos idênticos foi razoável na decisão. Recorda-se o caso do treinador do Petro de Luanda, que foi poupado (e bem), pois entendemos que sanções pecuniária sao as melhores sanções para o desporto profissional, salvo situações graves, que neste caso nao seriam apenas do âmbito desportivo mas de outros fóruns. Quem faz o desporto, o futebol em particular, são os treinadores, jogadores e os árbitros. Todos os outros sao auxiliares à actividade. A FAF nao pode nunca colocar de lado esta perspectiva. É alias o cerne da sua existencia.
Agostinho Tramagal é daqueles treinadores que engrossa o quadro dos melhores da sua geração. É preciso protegê-lo, dar-lhe a segunda oportunidade. É isso que representa a redução do castigo do treinador. Esta em jogo a carreira, a familia e sobretudo o emprego e o sustento. Em ultima instancia a humana.

Últimas Opinies

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Citaes

    O Caála foi um digno rival, fechou-se bem, mas o Petro trabalhou para ganhar. Esperamos ter  uma equipa cada vez melhor, porque nesta fase da prova os jogadores já estão mais soltos e os números de golos falam por si

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo da Hula

    Há muito, que os clubes provincianos que militam no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, divergem dos governos locais,  no que toca ao apoio ainda que mínimo às suas acções. Os governos, por sua vez, sempre alegaram que as verbas que   são cabimentadas não prevêem apoio aos seus clubes.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Pblico empurra cinco nacional ao Mundial da China

    A Selecção Nacional de Angola de Basquetebol vai fazer a oitava presença na mais alta roda do basquetebol Mundial, que a República Popular da China vai  organizar em 2019. Mais uma vez, o público angolano foi determinante para a qualificação.

    Ler mais »

  • 10 de Dezembro, 2018

    A "vara mgica" de Artur Almeida

    Sem terceira intenção, até porque ainda está por aquecer o seu cadeirão, faço o novo reparo a Artur Almeida. Vai para o facto de este nosso novo "governante" do nosso futebol, ter dito, há tempos, que não tem soluções mágicas para a modalidade. Será já uma antecipada e primeira desculpa aos desafios com que vai deparar-se no seu mandato?

    Ler mais »

Ver todas »