Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Proteger o emprego

09 de Abril, 2018
As sanções ou as punições têm regra geral a função de prevenir, inibir que outros possam repetir o acto praticado pelo castigado. Porém, há sanções que podem destruir carreiras como a que foi aplicada ao treinador Agostinho Tramagal.
Não queremos defender o acto ou desvalorizar. As regras existem para acautelar uma convivência sá entre as pessoas, mas quem as aplica tem de ter a capacidade de reflectir sobre as suas consequências em particular em situações como estas.
Suspender um treinador é despedi-lo do clube para o qual trabalha.A Federação de Futebol pode e nao fica nada comprometido o seu poder disciplinador se recuar, rever a medida, e salvaguardar o emprego do treinador, que já prestou serviços ao futebol nacional, orientando selecções jovens. É preciso ser razoável, colocar no centro a pessoa humana. Agostinho Tramagal é chefe de familia, tem no futebol o seu ganha-pao, ficar suspenso por um ano pode significar nao apenas \"matar\" o treinador mas também todos os seus dependentes.
A FAF precisa olhar no seu umbigo e ver que noutras ocasiões e em actos idênticos foi razoável na decisão. Recorda-se o caso do treinador do Petro de Luanda, que foi poupado (e bem), pois entendemos que sanções pecuniária sao as melhores sanções para o desporto profissional, salvo situações graves, que neste caso nao seriam apenas do âmbito desportivo mas de outros fóruns. Quem faz o desporto, o futebol em particular, são os treinadores, jogadores e os árbitros. Todos os outros sao auxiliares à actividade. A FAF nao pode nunca colocar de lado esta perspectiva. É alias o cerne da sua existencia.
Agostinho Tramagal é daqueles treinadores que engrossa o quadro dos melhores da sua geração. É preciso protegê-lo, dar-lhe a segunda oportunidade. É isso que representa a redução do castigo do treinador. Esta em jogo a carreira, a familia e sobretudo o emprego e o sustento. Em ultima instancia a humana.

Últimas Opinies

  • 21 de Outubro, 2019

    Zap e Unitel apanhados mais uma vez fora do jogo!

    Angola precisa de quadros capazes, corajosos e valentes não só para dar impulso ao marketing desportivo, bem como através desta aliciante ferramenta proporcionar um comprometimento e envolvimento para uma área que exige muita arte, em termos criatividade, imaginação e emoção, e muito “jogo de cintura” em termos de cientificidade, levando em conta a nossa realidade, adaptando-a ou ajustando-a, há uma melhor compreensão dos fenómenos mercadológicos e da complexa dinâmica do mercado. 

    Ler mais »

  • 21 de Outubro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O objectivo do 1º de Agosto é manter a liderança até ao final do campeonato.

    Ler mais »

  • 21 de Outubro, 2019

    O desporto adaptado

    Ainda na ressaca da recente conquista do título africano pela Selecção Nacional de Futebol para Amputados, saltou à vista o apelo da titular da pasta da Juventude e Desportos no sentido de se apoiar as pessoas portadoras de deficiência. 

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    Primeiro quarto sob signo de equilbrio

    À passagem da oitava jornada da época 2019/2020 do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, prova que nos últimos tempos passou a designar-se com o cognome de Girabola Zap, é nota marcante o equilíbrio que se faz sentir no seu seio.

    Ler mais »

  • 19 de Outubro, 2019

    Quem quem no nosso Girabola Zap?

    A medida que as jornadas se sucedem, o Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão vai aquecendo, tomando melhores proporções competitivas que provoca igualmente um maior arrasto dos prosélitos.

    Ler mais »

Ver todas »