Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Prximo da meta

24 de Abril, 2016
Como que a ouvir as preces de Zoran Maki, o treinador do embaixador angolano, o sorteio colocou no caminha do Sagrada Esperança uma equipa que não sendo uma pêra doce também não daqueles ossos duros de roer no continente africano. Ainda que em termos de palmarés a equipa da Tanzânia esteja uns furos acima da angolana, é, mesmo assim, um adversário à sua altura.

Depois de passar por três eliminatórias e consequentemente três adversários, nomeadamente Ajax de Cape Town, da África do Sul, na primeira, Liga Desportiva de Maputo, de Moçambique, na segunda, e Vita Club Mokanda, da República do Congo, na terceira e penúltima, a equipa angolana tem agora pela frente a derradeira eliminatória para chegar à fase de grupos da competição.

Para tal terá de fazer como fez até ao momento, ou seja, superar o adversário. Desta vez as coisas podem ser mais difíceis em virtude do calibre do adversário, que é francamente superior aos que defrontou anteriormente. O Young Africana da Tanzânia vem das eliminatórias da Liga dos Campeões.

É uma das que caiu na última eliminatória da principal prova da CAF e por efeito disso disputa agora a vaga para a fase de grupos da Taça da Confederação.

Com 25 títulos já conquistados na Liga em que participa, dá para ter uma ideia de que não se esperam facilidades para o representante angolano. Mas por aquilo que este já fez até ao momento, estamos em crer que com algum esforço e tendo em atenção o modo como o sorteio ditou a ordem dos jogos, o Sagrada Esperança pode perfeitamente atingir a fase de grupos e alcançar o primeiro grande objectivo, que é a entrada na fase de grupos.

Com o jogo da primeira mão na casa do adversário, à equipa angolana recai a missão de procurar conseguir um resultado que lhe abra boas perspectivas de resolver, a posterior, a eliminatória em casa. Uma vitória ou na pior das hipóteses um empate com golos é tudo quanto se espera que os angolanos possam alcançar em Dar es Slaam, para depois no Dundo apenas confirmarem a passagem.

É preciso, porém, que os pupilos de Zoran Maki mantenham o mesmo espírito de entrega, a mesma dedicação, humildade e, sobretudo, respeito pelo adversário. Se mantiverem estes atributos e continuarem a receber o apoio da direcção do clube, do patrocinador e do governo da província, tudo pode ser mais fácil para o nosso embaixador.

Por agora, resta continuar a trabalhar com o mesmo afinco e aproveitar até lá os jogos do Girabola para dar ritmo competitivo e condição física ao plantel.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »