Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Qualificao vista

20 de Abril, 2019
A Selecção Nacional de futebol, de Sub-17, que participa no Campeonato Africano das Nações, que decorre na Tanzânia, tem hoje a missão espinhosa diante da selecção anfitriã, de jogar para a terceira e última jornada da fase de grupos. O desfecho, pode determinar a passagem às meias-finais, ou o afastamento irremediável.
Na verdade, depois de um início fulgurante com uma vitória convincente sobre a similar ugandesa, os Palanquinhas acabaram por claudicar na segunda jornada diante da Nigéria, comprometeram as aspirações ou adiaram a qualificação para a fase seguinte do torneio. Ainda assim, nada está perdido em definitivo. No ar, paira alguma esperança.
Para tanto, a equipa, às ordens de Pedro Gonçalves, está obrigada a vencer o jogo de hoje, é esta a condição única de passar às meias finais.Trata-se de uma empreitada difícil, mas não impossível, desde que da parte da equipa haja atitude, determinação, e mais do que isso, espírito de missão. As portas, para a outra fase, ainda não se fecharam.
É lógico, que o adversário a jogar em casa, tem os seus argumentos e objectivos. Pois, em caso de sair vitorioso, com uma boa margem de golos e se verificar uma vitória da Nigéria sobre o Uganda no outro jogo do grupo, pode ter a felicidade de estar nas meias-finais do torneio. É uma hipóteses remota, que não pode ser posta de fora das equações matemáticas.
Vai daí, que os angolanos não devem menosprezar o adversário. Mesmo a saber-se, que em função do que nos foi dado ver, nas primeiras duas jornadas, Angola tenha mais futebol em relação ao adversário, há que ter sempre presente a máxima, segundo a qual, no futebol não há vencedores antecipados, tão pouco derrotados à partida.
Seja como for, em termos de motivação entre as duas equipas, Angola está, naturalmente, com os níveis mais elevados. Depender de si, não é o mesmo que depender de terceiros. É esta particularidade, que divide as duas equipas, capaz de ter influência no desempenho destas e no resultado final. Angola precisa de acreditar e mostrar a mesma postura que mostrou nos jogos anteriores.
No último jogo com a Nigéria, pese embora averbar uma derrota, não esteve mal em campo. Jogou a um nível aceitável, resistiu à fúria adversária até ao fim, só não chegou à igualdade, por manifesta falta de sorte. Se evidenciar a mesma postura, logo mais, não terá dificuldades para atingir o seu desiderato.


Últimas Opinies

  • 23 de Maio, 2019

    O ttulo militar e outros (dis) sabores

    1. Com o Girabola encerrado, (apesar de ainda não homologado pela Federação Angolana de Futebol), ao Petro de Luanda resta (va) conquistar a Taça de Angola, (este texto foi escrito antes da realização do jogo de ontem,), para amenizar a dor de mais uma época em branco, coisa nada simpática para um clube à sua dimensão.

    Ler mais »

  • 23 de Maio, 2019

    Oramentos abismais ferem verdade desportiva

    A velha máxima de que “filho é filho e enteado é enteado “ continua a imperar até no desporto.

    Ler mais »

  • 23 de Maio, 2019

    O retrocesso assegurado do nosso desporto

    Estou indignado. Um dos patriotas que mais fez para Angola chegar aos píncaros no Desporto, afinal não tem direito a galeria de honra no ministério do desporto. Falo daquele que foi o primeiro Secretário de Estado da Educação Física e Desporto de Angola, antigo atleta e recordista angolano, Ruy Mingas.

    Ler mais »

  • 20 de Maio, 2019

    Proteger os talentos

    O Girabola encerrou ontem as cortinas, no meio de tanto barulho. Muitas abordagens terão lugar. É natural. É, aliás, tradicional fazer um rescaldo. Visitar todos os aspectos da competição.

    Ler mais »

  • 20 de Maio, 2019

    Liga de futebol, "parto" ou"aborto"?

    A sabedoria popular é fértil em expressões, que nos apelam à cautela, principalmente quando queremos empreender por projectos que tem de se adequar e se ajustar ao momento e ao contexto em que estamos inseridos, com noção plena de onde saímos (passado), onde estamos (presente), e visão assertiva para onde queremos chegar (futuro), tais como: "devagar se vai longe; "a pressa é inimiga da perfeição"; 

    Ler mais »

Ver todas »