Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Regatas para Tquio

20 de Janeiro, 2020
Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.
Fazendo jus à condição de anfitriã, a dupla angolana Matias Montinho/Paixão Afonso qualificou-se para os Jogos Olímpico de Tóquio, Japão, a decorrerem de 24 de Julho a 9 de Agosto do ano em curso, fruto da vitória na prova africana, a nível da classe 470.
E assegurada que foi a qualificação para os Jogos Olímpicos, os atletas angolanos, como é óbvio, devem começar já a esboçar aquilo que será a sua campanha nesta grande montra desportiva.
Na classe Olímpica 470 a dupla de vencedores, que travou uma luta ferrenha com a outra formada pelos compatriotas Francisco Artur/Edvaldo Torres, chamou a si o poderio das várias regatas deste Campeonato Africano de Velas, daí que não é de estranhar a confirmação de mais uma presença angolana nas Olimpíadas.
Não obstante alguma réplica dada pelos adversários, contratempos e protestos à mistura, os velejadores angolanos da Classe 470 conseguiram contrapor as adversidades e lograr os lugares do topo, o que lhes permitiu confirmar a presença nos Jogos Olímpicos de Tóquio. E tudo por obra da grande entrega e acima de tudo “Fair-Play” demonstrado.
Os dois velejadores campeões africanos, que estiveram nos últimos Jogos Olímpicos do Rio (Brasil\'2016), venceram a última regata com três pontos, somando 16 Net (pontuação). A referida regata foi disputada só por atletas nacionais, devido a ausência de outros concorrentes. Por essa razão, na classe 470 o pódio do ouro ao bronze foi conquistado exclusivamente por duplas nacionais, constituídas por Matias Montinho/Paixão Afonso (que se sagrou campeã, como já se referiu), Francisco Artur/Edivaldo Torres (vice) e Paulo Amaral/Lúcio Felgueira (que logrou o 3º posto).
Por conseguinte, na classe 420 Angola conquistou a medalha de ouro, por intermédio da dupla Mário Domingos/ Francisco Kilombo, que somou 22 pontos. A medalha de prata também ficou com a dupla angolana, constituída, por Miguel Fiel/José Manasseis, que terminou a prova com 24 pontos.
Já no que se refere a classe feminina, a dupla angolana Domingas Huambo/Isabel Afonso viu-se superada pelas irmãs do Índico, as moçambicanas Denise Parruque e Maria Machava, que foram mais eficazes, chamando para si a conquista do lugar mais alto do pódio deste africano de vela, que o país albergou.
De resto, valeu o espírito de “Fair-Play” demonstrando durante a competição pelos velejadores dos países que estiveram em competição e acima de tudo a postura de bons anfitriões, que os angolanos evidenciaram ao cabo das várias regatas.
E agora o foco dos nossos velejadores deve incidir nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Até lá o grande objectivo passa por preparar bem as equipas, para que o país tenha uma boa prestação. Assim se espera…

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »