Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Repensar o desporto

05 de Setembro, 2019
Como uma espécie de reparo crítico às peripécias enfrentadas pelos atletas angolanos que competiram nos Jogos Africanos, que terminaram no fim-de-semana, em Rabat, a jornalista, enviada especial do Jornal de Angola e Jornal dos Desportos, trás a público para reflexão de todos, alguns aspectos negativos que marcaram a presença da comitiva angolana na maior manifestação desportiva do continente.
Na verdade, vivemos tempos diferentes e difíceis, marcados pela recessão económica, em que quase tudo escasseia. O sector do Desporto foi dos que mais se viu afectado, sobretudo, porque na nossa realidade o desporto é mais um sorvedouro, que outra coisa. Dito de outro modo, não é lucrativo pelo que não é sem razão que os gestores desportivos passam a vida a choramingar.
A participação em provas internacionais, de há algum tempo à esta parte que passou a ser obra de Hércules, a exigir das Federações ou dos clubes esforços adicionais para a criação de condições materiais, logísticas e financeiras que viabilizem a operação. Em situações de maior aperto, a renúncia à participação acabou por ser o caminho mais curto.
Exemplos, temo-los à mão de semear. O Desportivo da Huíla, que foi vencedor da Taça de Angola em futebol, não está nas competições africanas em que devia estar por mérito. Razões evocadas para a ausência: falta de saúde financeira para as obrigações da prova. E, se dedicarmos alguma atenção ao Girabola, é que são elas. É tudo um sermão de lamúrias.
Mas tudo isso não justifica o que se passou em Rabat. As participações em eventos internacionais não podem ser, apenas, para exibição das cores da nossa bandeira. Servem, também, para no plano competitivo elevar o ego, em função dos resultados produzidos pelos nossos atletas. E, isto, nunca será possível enquanto não passarmos a encarar as coisas com maior sentido de responsabilidade.
À guisa de exemplo, estaria o país em condições de exigir resultados à Neide Dias, fundista do 1º de Agosto, que chegou a Rabat atrasada, com bilhete comprado às suas expensas e sem equipamento sequer? Às tantas, fica-se sem perceber que objectivos desportivos persegue o país. É preciso, às vezes, ter a coragem de renunciar algumas participações, quando se sabe, à partida, que as condições não oferecem garantias.

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »