Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Rota do CAN2021

09 de Novembro, 2019
Depois de marcar este ano a sua oitava presença numa grande montra do futebol africano, a Selecção Nacional de Honras está de regresso às provas continentais. E numa altura em que os adeptos da modalidade no país têm ainda bem presente a campanha do combinado nacional de Sub-17, que no Mundial que ainda se joga no Brasil, atingiu os oitavos-de-final, há que se virar agora as baterias para os Camarões-2021.
É precisamente na pátria de Samuel Eto’o, antiga estrela do Inter de Milão, Barcelona e Chelsea, que acontece a próxima edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), uma prova de que se viu privada este ano por algum clima de tensão naquele país.
Depois de ver declinada a organização da Taça das Nações deste ano, que se realizou entre Junho e Julho, e que a Confederação Africana de Futebol (CAF) deliberou para responsabilidade do Egipto, os Camarões têm, assim, mais uma oportunidade para organizarem o certame. E Angola, nesse caso, concorre para sua nona presença na prova.
Refeitos da fracassada campanha no CAN do Egipto, os Palancas Negras vão procurar, agora, encetar uma nova era da sua história, nesta caminhada em que num espaço de quatro dias, defrontam a Gâmbia e o Gabão, para o Grupo D.
Depois de se tornar pública a convocatória na passada quarta-feira para esses primeiros jogos da dupla jornada da corrida aos Camarões-2021, em que salta à vista os nomes de Nsesani, guarda redes da Académica do Lobito e Quinito, defesa do Interclube. Se, por um lado, os nomes destes acabam por revelar-se como novidades da convocatória, por outro lado, não passam também despercebidas as ausências de Dani Massunguna, Landu, Ndulo, Edy Afonso, Jonathan Buatu, Bruno Gaspar, Stélvio Cruz, Djalma Campos, Mabululu e Evandro Brandão, atletas que fizeram parte do “núcleo duro” do último CAN. Mas lá saberá o treinador com que linhas coser para essa dupla ronda.
Os Palancas Negras, que estão concentrados desde quinta-feira no Hotel Samba cumprem esta tarde uma sessão de treino no 11 de Novembro, depois do apronto de ontem nos Coqueiros, tendo em vista a dupla ronda frente a Gâmbia e o Gabão.
E, como é óbvio, frente aos gambianos no duelo da primeira jornada, quarta-feira, dia 13, os angolanos vão procurar começar com o pé-direito. E isto, como não podia deixar de ser, pressupõe uma vitória. Aliás, actuando na condição de anfitrião, outra coisa não se pode esperar do combinado nacional, que depois, no domingo a seguir, volta a jogar, desta feita com os gaboneses, em Libreville. Tal como no jogo caseiro, fora de portas, os comandados de Pedro Gonçalves, vão procurar obter um resultado positivo.
E, como nesses jogos de apuramento é sempre bom ganhar em casa e procurar amealhar pontos nos redutos adversários, de certeza que o seleccionador nacional e seus pares vão incutir essa estratégia aos jogadores, para que no final de cada um deles, tudo corra de feição para o conjunto. É, enfim, mais uma caminhada rumo a um CAN, que se espera exitosa para os Palancas Negras. A ver vamos!!!...

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »