Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sambilas entendidos

09 de Maio, 2019
Está, pelos vistos, ultrapassado o impasse no Progresso do Sambizanga. Direcção do clube e atletas, terão chegado a consenso sobre os pendentes existentes, e os últimos voltaram já ao trabalho. De resto, vimos a equipa em campo na passada terça-feira, defrontando o ASA para os oitavos-de-final da Taça de Angola, a quem venceu por 2-0, resultado que levou à passagem para os quartos-de-final.
Na verdade, não há problema que não encontre solução, desde que os homens se predisponham ao diálogo. E foi bom que os jogadores tenham voltado ao trabalho, pois não ficariam bem na fotografia, desistir a escassas duas jornadas do desfecho do campeonato nacional, depois de terem suportado o resto do percurso com todo brilhantismo.
O que se espera por ora é que a direcção do clube venha a honrar com a sua palavra nos próximos dias, até porque o pendente com os atletas não resulta de má fé, mas da situação financeira menos boa que quase todos nós vivemos, e que deixa o clube de mãos atadas ou sem possibilidade de solucionar os problemas, como seria de esperar. A crise campeia e afecta a todos.
Dos oito meses de salários em dívida, a direcção conseguiu pagar meio mês, comprometendo-se pagar, até amanhã (sexta-feira) outro meio mês, para ficarem em falta sete meses, sendo que um destes meses pode ser liquidado na véspera do jogo com o Petro de Luanda nos mesmos moldes, de meio mês/meio mês ou na totalidade. Portanto, como se pode depreender, o game está rijo. Mas a equipa não pode parar.
Uma eventual desistência da equipa sambila seria dolorosa para a sua massa associativa, sendo afinal uma das equipas mais regulares do presente campeonato, em que ocupa uma honrosa sexta posição, muito acima de equipas que já coleccionam títulos, mas que têm andado muito longe das suas performances, por razões obviamente a ver com limitações de condições de trabalho.
Aliás, o poderio da equipa voltou a ficar evidente no jogo de terça-feira, em que venceu, quase sem resistência, o Atlético Sport Aviação para carimbar o passe para os quartos-de-final. É, portanto, uma prestação que não está ao alcance de muitas equipas, algumas das quais a fazer trinta por uma linha, para evitar a zona movediça da classificação geral.
Depois de conseguir a estabilidade no campeonato, pois o sexto lugar foi sempre a sua meta, a equipa também está com probabilidades várias de lograr uma boa safra na Taça de Angola. Com os quartos-de-final já assegurados, é legítimo que a equipa comece agora a sonhar com as meias-finais, o que nada tem de anormal, pelo ritmo competitivo que vem apresentando.


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »