Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Santa Rita em queda

03 de Outubro, 2017
Com a disputa da 26ª jornada no fim de semana, agora já só restam quatro rondas, equivalentes a 12 pontos. Ainda assim, parece que o destino do Santa Rita de Cássia está traçado, com a forte probabilidade de regressar à segunda divisão. O representante do Uíge não tem sido capaz de acompanhar a pedalada do Girabola Zap e pode deixar as terras do bago vermelho sem o futebol de primeira água.

Com a prova a correr célere para o cerrar das cortinas, embora no fim de semana se registe nova pausa para os quartos - de - final da
Taça de Angola, nada faz prever que os uígenses se livrem da despromoção, tal como se desenham os destinos do JGM e Progresso da Lunda -Sul ou ASA, estas duas, como terceira opção das eventuais equipas a despromover.

Depois do feito de chegar ao escalão principal do futebol nacional, o Santa Rita de Cássia vê o sonho de conviver entre os grandes como um pesadelo, a julgar pelas poucas contrariar hipóteses de aos últimos resultados.

A crise financeira e a deserção de alguns jogadores estão entre alguns “pecados capitais”, que influenciaram sobremaneira o desempenho dos “católicos”, que futebolisticamente nem por isso ficam muito distantes das equipas médias do campeonato nacional. Aliás, a equipa do Uíge foi capaz de bater o pé a alguns grandes, demonstrando que com mais apoios as coisas podiam ser bem diferentes.

Dos jogos que tem pela frente, até à última jornada, todos são de alguma complexidade, o que deixa ainda mais dúvidas sobre eventual reviravolta dos uígenses, para escaparem da iminente “queda”. Sagrada Esperança (27ª jornada), 1º de Maio (28ª), Petro de Luanda (29ª) e Progresso do Sambizanga são os adversários que tem de superar, ainda assim tem de esperar que se conjuguem outros resultados dos seus “concorrentes”, nesta disputa directa,para evitar o pior.

A derrota no Luena, no fim de semana, veio de algum modo antecipar o desfecho triste para a equipa do Uíge, cujos adeptos já não acreditam na “salvação”, antevêem na próxima época fins de semana enfadonhos, porque um dos principais atractivos tem os dias contados.

Com um novo governador nomeado, espera-se com expectativa a atenção que deve dedicar ao desporto e ao futebol, em particular, para que os seus principais representantes evitem o elevador do sobe e desce, na principal competição do país. Aconteceu em 2016 com o União do Uíge, tudo indica que nesta época o Santa Rica também não escapa à despromoção, no ano a seguir à ascensão.
Se calhar, é hora de se começar a equacionar soluções, que ajudem a potenciar as equipas do Uíge e não só, podendo os dirigentes se quiserem usar o slogan em voga, “melhorar o que está bem e corrigir o que está mal”.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »