Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Segundona em aco

24 de Junho, 2016
A segunda divisão arranca domingo e o clima na fase de apuramento ao próximo Girabola não é nada animador, com algumas províncias sem representantes por falta de dinheiro, como é caso de Luanda e da Huíla.

A partir de domingo começa a disputa pelo Girabola do próximo ano, quando for dado o arranque da segundona que nesta edição tem onze equipas inscritas, e em que a ausência de equipas de Luanda por problemas financeiros da Escola Norberto Castro, que até a edição passada se fazia presente, e do Polivalentes do Palanca que decidiu apostar mais nos escalões de formação, em detrimento dos seniores é uma das notas de realce.

O afastamento dos luandenses tira, certamente, competitividade à competição, dada a maior rodagem das equipas locais, mas possibilita, num outro ângulo, que as outras equipas que compõem a séria A, das províncias do Norte e Centro-norte do país, nomeadamente Cabinda, Uíge, Bengo e Malange, possam ter mais possibilidades de ascender ao Girabola, além dos conjuntos do Cuanza Norte e do Zaire, que, entretanto, podem ter a sua presença em risco, dado que as respectivas associações provinciais nada adiantaram a respeito dos seus filiados, cuja ausência, a confirmar-se, será motivada, também, por problemas financeiros.

O Domant, por exemplo, é uma formação que deu ao Bengo uma participação inédita na maior competição do país, embora efémera na temporada passada, pois a equipa subiu de divisão e de seguida desceu, mas tem condições para poder regressar, quando, ademais, não tem a concorrência de nenhuma equipa da capital do país.

A carência de dinheiro é um mal geral que complica a vida de todos. No grupo B, sem os huilanos, as equipas de Benguela, Cuanza Sul, Huambo e Cuando Cubango estão perfiladas para o desafio que têm de lutar por um lugar no próximo campeonato nacional da primeira divisão. O Namibe e o Cunene são províncias que fazem parte da série B, mas que não têm representantes, por não terem sido indicados até a data prevista pela Federação Angolana de Futebol.
Em função da falta de capacidade financeira, a Federação foi forçada a abolir a terceira série, que devia ser formada pelos representantes das províncias das Lundas Norte e Sul, Moxico, Bié, Malanje, Cuando Cubango e Cunene, razão pela qual apareceram Malanje Sport Clube e a Casa Militar que foram introduzidos noutros grupos.

Salta pois, à vista de todos, que esta prova de apuramento ao maior campeonato do país não goza de saúde. Mas esperamos que as equipas inscritas e que a partir de domingo entram em competição, tenham forças e capacidade financeira para chegar até ao fim, para que não sejam causados mais transtornos à programação da prova.

Últimas Opinies

  • 25 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Dou, primeiro, os parabéns à selecção da África do Sul, que tem um nível de intensidade de jogo superior ao nosso, pois na metade da primeira parte já estavam a ganhar por dois a zero. Nós também criamos boas jogadas, infelizmente não concretizamos

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    O almejado retorno Taa das Naes!

    A presença de Angola na 32ª edição da Taça de África das Nações em futebol já é um facto.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

Ver todas »