Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Segurana no 4 de Janeiro

13 de Março, 2017
A segurança dos espectadores no estádio 4 de Janeiro , no Uíge, palco dos jogos do clube Santa Rita de Cássia, no presente Girabola, volta esta tarde a ser testada, após os trágicos acontecimentos no arranque do campeonato que culminaram com a morte de 17 espectadores, quando o Kabuscorpo do Palanca para ali se deslocar esta tarde para defrontar o clube local, no fecho da quinta jornada da competição.

De facto, pouco mais de um mês depois das ocorrências que ensombraram o país, mais um jogo de risco é disputado naquelas paragens, numa altura em que o resultado do inquérito mandato instaurar pelo governo local está prestes a ser divulgado.

Na altura, a tragédia ocorreu aos sete minutos do jogo quando centenas de espectadores invadiram um dos portões de acesso ao estádio para entrar, tendo muitos deles caído, sendo pisoteados e asfixiados.

Este incidente mereceu a solidariedade do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que orientou apoio total às famílias das vítimas, bem como a instauração de um inquérito para apuramento das causas.

O Kabuscorp do Palanca é dos clubes no país que mais adeptos arrasta nas suas deslocações, além do apoio que tem localmente, o que leva a que tenha sempre o incentivo das suas claques.

Contudo, e para acautelar eventuais enchentes esta tarde, a direcção do clube do Palanca decidiu aconselhar os seus adeptos na capital do país a não se deslocarem ao Uíge para o apoio à equipa, uma posição que se por um lado penaliza os adeptos, por outro, serve também para a sua própria protecção, dado que as condições do recinto de jogos não são ainda as mais desejáveis.

Sendo uma partida de risco, não por rivalidades entre clubes, ou por se tratar de um jogo de decisão, mas apenas porque o próprio recinto não tem proporções para albergar o grande número de espectadores que quererão deslocar-se ao estádio para assistir o encontro, é evidente que todas as questões que têm a ver com a segurança dos adeptos e espectadores devem ser salvaguardadas.

Tirando lições do jogo que vitimou pessoas na abertura do campeonato, é necessário que haja uma limitação bem controlada da venda de ingressos, além da abertura com antecedência dos portões do recinto, bem como a melhoria das vias de acesso aos mesmos.

Os espectadores devem sentir que estão em segurança dentro dos recintos desportivos ou quando para ali se deslocam, pelo que todas a medidas que visem assegurar a sua integridade física devem ser adoptadas em todas as situações.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »