Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sempre vitoriosos

02 de Novembro, 2013
Estamos certos que quem acompanhou a sequência das jornadas não arrependeu, porque pode ver basquetebol de refinada qualidade. Seis selecções deram corpo ao evento que, inicialmente, era para ter tido lugar no Egipto, mas que, por razões que não interessa referir aqui, sobrou para Angola.

E, diga-se em abono da verdade, estas selecções, apesar de poucas em relação àquilo que em condições normais podia reflectir a grandeza do continente africano, souberam valorizar o certame. Em muitos jogos houve total equilíbrio competitivo, face ao potencial das selecções intervenientes.

Mas, podemos dizer que, mesmo que o equilíbrio não tivesse marcado presença, nada podia subtrair a qualidade da prova. Já o dissemos noutra ocasião: avaliadas as coisas numa perspectiva mais realista, não são tanto os resultados que contam numa competição deste género, mas sim o espírito de convivência desportiva entre homens que, estando fisicamente diminuídos, não perderam o seu valor humano.

A entrega demonstrada por muitos atletas que estiveram em competição, voltou a reforçar o conceito de que o homem continua a sê-lo mesmo depois de, por alguma razão, contrair lesão física. Aliás, ao longo dos anos temos visto o despique nos Jogos Paralímpicos, onde o nosso país encontra em José Armando Sayovo o expoente máximo.

Internamente, o Comité Paralímpico Nacional não tem poupado esforços no desenvolvimento desportivo, tendo mesmo uma acção reconhecida a nível do continente africano, não sendo sem razão que o seu presidente é também hoje o presidente do Comité Paralímpico Africano.

Chegados ao último dia de competição, estamos quase certos que muitos serão aqueles que, na condição de espectadores, ficaram encantados com a qualidade do basquetebol exibido. Mais uma vez, não deixamos de atribuir o mérito ao Comité Paralímpico Angolano, ao Ministério da Juventude e Desportos, ao Ministério da Reinserção Social e a outros parceiros na organização deste campeonato. Angola voltou a mostrar a sua capacidade de organização de grandes eventos desportivos.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »