Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sinal evidente

25 de Fevereiro, 2014
O desfecho dos jogos da primeira jornada do Girabola, disputada no passado fim-de-semana, deixou algumas indicações claras do que podemos esperar da presente edição no aspecto competitivo. À excepção do Benfica de Luanda-ASA, em que se registou um resultado volumoso, nos demais o equilíbrio numérico esteve presente.Foi agradável ver equipas como Recreativo da Caála a explanar um futebol solto e bonito diante do campeão nacional. Ver um Progresso ousado e destemido a fazer vida cara a um 1º de Agosto, que já trazia alguns jogos nas pernas. Ver um Sagrada Esperança a anular a fúria da turma petrolífera. Claro que os primeiros jogos não dizem nada, mas a atitude é sempre digna de registo.

Estamos quase certos que se as equipas conseguirem manter esta determinação para o resto das jornadas teremos de facto um campeonato renhido e interessante de se seguir. Isto é salutar numa altura em que assistimos com agrado à afluência do público aos estádios, ou se preferirem, ao reencontro entre o homem e o espectáculo.Para trás vai ficando o fenómeno de campos às moscas. E se é verdade que o distanciamento era justificado com a fraca qualidade do futebol produzido pelas equipas, só temos é de conotar esta inversão do cenário com a melhoria qualitativa do espectáculo. Hoje já se vai ao campo e regressa a casa com alguma satisfação, sem o sentimento de ter sido ludibriado enquanto pagante.

Com apenas uma jornada realizada, não nos apresentamos ainda em condições de fazer uma leitura mais exacta sobre quem é quem entre os principais actores do campeonato. Mas acredita-se cada vez mais que vamos ter disputa forte no curso das 30 jornadas, sempre com as “zonas de ocupação” delimitadas entre os crónicos candidatos ao título, os que procuram melhorar classificações anteriores e aqueles que se contentam com o simples facto de continuar na primeira divisão.

Além disso, convém também não perder de vista que este foi o ano em que os clubes mais investiram na pré-época, a maioria com estágios no estrangeiro, a par dos investimentos nos respectivos plantéis com novas aquisições que trazem certamente uma mais-valia. Se é verdade que quem investe encontra nos resultados a forma compensatória, é um dado adquirido que o Girabola’2014 promete.Em relação ao título, há para já um número superior de candidatos. Desde já, o Kabuscorp na condição de campeão em título não tem outro objectivo que não seja o da revalidação, podendo dizer-se o mesmo de outras equipas que não importa citar aqui.O 1º de Agosto, que viu o campeonato passado escapar entre os dedos, espera acertar este ano, o mesmo que prometem Petro, Interclube e Libolo. Em resumo, estamos em condições de dizer que a luta pelo título promete ser dura. De resto, a ronda do fim-de-semana disse quase tudo.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »