Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Somos diferentes

08 de Agosto, 2019
Reclama-se muito quanto aos resultados menos conseguidos das nossas selecções de futebol, em competições internacionais. Reclama-se também, volta e meia, de um certo isolamento de quem dirige, dos actores directos da modalidade. Fala-se de tudo e mais alguma coisa sobre o “status quo” do futebol em Angola. Na verdade, acaba, por fim, de ser uma reacção com certa lógica.
Há coisas e situações que não devem ser encaradas de ânimo leve, sobretudo, pela sua importância ou pela influência que exercem sobre as sociedades. O futebol ou o desporto, em termos gerais, têm esta particularidade. E, devem em função disso serem dignos de um acompanhamento e atenção especiais. Notamos que não é o que ocorre entre nós.
A disputa, no fim-de-semana, dos jogos referentes à Supertaça, na Inglaterra e em Portugal, trataram de destapar o véu, ou de trazer a verdade à superfície. Vimos as entidades presentes no Manchester City - Liverpool e as que estiveram no jogo Sport Lisboa e Benfica - Sporting Clube de Portugal. No primeiro jogo vimos um representante de Sua Majestade, a rainha Isabel, e no outro, o Primeiro Ministro , António Costa e o Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa.
No dia seguinte, o Estádio dos Coqueiros recebeu o 1º de Agosto -Desportivo da Huíla. O cenário que nos foi dado ver é aquele mesmo que vimos. Não é que estejamos a rebater a ausência do Presidente da República. Longe disso. Pois, a vida das entidades supremas é regida por uma agenda que nem sempre permite a presença em actos para os quais são convidadas.
Saudamos a presença do Secretário de Estado, Carlos Almeida, mas ficou marcada a ausência da mais alta figura da própria Federação Angolana de Futebol. Isso, parecendo que não, desvaloriza o acto, priva -o da grandeza merecida. Não é o que se viu. Quem procedeu à entrega da taça à equipa vencedora, embora seja também ele uma entidade na FAF, foi o vice-presidente, Adão Costa.
É claro que pelas informações postas a circular, Artur de Almeida não se encontra em bom estado de saúde, é provavelmente a razão que justifica a sua ausência nos Coqueiros. É compreensível. O que intriga, é que não é a primeira vez que o homem assume esse procedimento. A última falta, de que se tem memória, foi no jogo que consagrou o 1º de Agosto, campeão nacional.
Por aí, comparada a nossa realidade futebolística a da Inglaterra e de Portugal, para não citar outros países, pode compreender-se por que razão o nosso futebol anda de cócoras, porque nem mesmo os que se assumem por seus dirigentes reconhecem valor é mérito. E, por esse andar, já o dissemos no outro dia, não chegamos lá...

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »