Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sonhar alto

27 de Janeiro, 2018
Os Palancas Negras entraram para a fase de \"mata -mata\", depois de alcançarem a passagem para os quartos - de -final e cumprirem o principal objectivo que os levou a Marrocos para desfilar no CHAN, porém, é bom que se diga que ao atingir o desiderato, é preciso sonhar alto.
Angola defronta amanhã a Nigéria, jogo dos \"quartos\" sem ter nada a perder, mas os jogadores devem estar convictos que podem continuar em prova, ganhando em termos de auto-estima.
Passar a primeira fase foi uma \"chapada sem mão\" para muitos que auguravam uma participação pouco digna da Selecção Nacional, por serem eternos pessimistas ou devido à deficiente preparação a que a equipa está sujeita.
A postura dos Palancas Negras superou as projecções iniciais, e a isso deve-se, também, a presença do seleccionador que sabe o que quer e o que pode esperar do conjunto que dirige, deixou transparecer isso mesmo, nos seus pronunciamentos. Chegar aos \"quartos\" significa pensar nas meias-finais, e em saltos mais altos, pelo que não é de todo descabido pensar num regresso à final da prova, de modo igual ao que conseguiu na sua primeira participação do CHAN, quando acabou por ser finalista vencido, ao sucumbir diante da Tunísia.
O CHAN é uma competição, em que evoluem atletas que jogam nos campeonatos internos, que no continente têm a oportunidade de sobressair e pensar em novos rumos para a sua vida futuro, e neste aspecto Angola já teve ganhos com a transferência do jovem avançado Vá, para a segunda liga do futebol luso, ele que em Marrocos foi distinguido por duas vezes como o homem do jogo, por esse facto, é uma das grandes esperanças angolanas para o jogo com os nigerianos. A Nigéria terminou a fase de grupos, na primeira posição do grupo C, mas sem números assustadores, com um empate na estreia com o Ruanda e duas vitórias subsequentes nos confrontos com a Guiné Equatorial e com a Líbia. Angola deve discutir o jogo sem receios, até porque no histórico entre os dois países, os angolanos guardam gratas recordações do futebol daquele país.
Angola pode amanhã desbravar o caminho, para voltar a fazer história no CHAN. Na participação para o Sudão havia a descrença geral, em relação ao que os Palancas Negras pudessem fazer, tal como aconteceu, inicialmente, nesta campanha para Marrocos.
Contudo, a motivação de atletas e treinadores em superar-se acabou, por ser o grande trunfo do conjunto para a excelente prestação que se seguiu. E, é isso, que esperamos que volte a acontecer.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »