Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Sub-17 em Braslia

24 de Outubro, 2019
Depois de um estágio pré-competitivo taxado como positivo em termos de balanço, a selecção nacional de Sub-17 já se encontra na cidade de Brasília, sede do Grupo A do Campeonato do Mundo de futebol, que tem início no próximo sábado no país do Samba. Ontem mesmo, a equipa trabalhou no palco dos jogos da fase preliminar.
A motivação no seio do grupo é considerada alta, estando a rapaziada disposta a uma prestação que dignifique o nome e as cores do país, pese o facto de reconhecer que a empreitada não há-de ser fácil, em face do valor competitivo e prestígio de outras selecções presentes no torneio.
À partida, Angola teve a desdita de calhar no grupo do país anfitrião, que, como se sabe, não é uma fera. E mesmo as outras integrantes o grupo, como Nova Zelândia e Canadá, são equipas com um nível de futebol relativamente superior ao nosso, que poderão, por esta via, dar luta a valer.
Mas, sabe-se que em tudo há o difícil e nunca o impossível. Significa que se as outras selecções vão para o campeonato com objectivos traçados, Angola também tem os seus objectivos, e vai procurar se esmerar no terreno para, com menor ou maior dificuldade, concretizar os mesmos.
Aliás, o apelo a fazer é que a selecção tenha atitude. Reconheça, que estar num campeonato do mundo é um mérito reservado apenas aos melhores. Daí que mesmo que haja desníveis entre diferentes selecções, ela também é das melhores do mundo. As piores são as que não lograram a qualificação para esta cimeira.
De resto, estamos certos que se a equipa for capaz de fazer uma perfeita interpretação daquilo que foi o desempenho nos jogos de preparação, não terá dificuldades de monta para fazer face à concorrência dos seus adversários, em particular os parceiros de grupo na primeira fase.
Aliás, como campeão africano está na contingência de justificar o título, com a exibição de um futebol alegre, mesmo que os resultados pequem. O pior é se revelar num saco de pancadas, perdendo jogos com resultados escandalosos. Isto é que ninguém espera. Para isto é que ninguém estará preparado.
A faltar poucas horas para o \"pontapé de saída\" diante da Nova Zelândia, vamos dedicar sorte à equipa, na esperança de que consiga vincar a sua classe e honrar o nome de Angola. Não será fácil, de certeza. Mas, a entrega, crença e dedicação poderão determinar as coisas.

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »